menu
Topo

Sexo


Sexo

"Sou lésbica e faço sexo anal": mulheres relatam experiência tabu

Getty Images
Tabu ainda maior entre elas, lésbicas falam do mundo desbravado do sexo anal Imagem: Getty Images

Laura Reif

Colaboração para a Universa

28/01/2019 04h00

Sexo anal ainda é tabu, apesar de todas as dicas que já existem sobre essa prática. Conselhos sobre posições, como relaxar na hora H... há um monte de conteúdo disponível ensinando mulheres a curtirem esse momento com os parceiros. Mas e se a pessoa tiver uma parceira? A clássica posição "de ladinho", que é conhecida por ser a melhor para os iniciantes, seria a ideal para um casal de lésbicas? Pensando nisso, a Universa foi atrás de histórias de mulheres que praticam a arte do anal com outras mulheres.

A psicóloga e sexóloga Eliane Maio explica que tudo o que se refere à sexualidade da mulher fica cercado de mitos e, nesse caso, mais ainda. "O sexo anal entre mulheres talvez possa não ser tão divulgado assim por estar envolto em vários tabus. O que mais se encontra aqui é preconceito", diz.

Muitas vezes, a prática é tratada como uma obrigação para agradar o homem, sem levar em consideração o prazer feminino. "Como esperar que uma mulher possa se manifestar sexualmente se pouco se conversa sobre isso? É muito difícil aprender se não explicam", questiona Eliane. A sexóloga reforça que cada um sente prazer a sua maneira, então que tal começar se tocando sozinha? Ela também relembra o cuidado com IST's, sempre fazendo uso de preservativos na hora de usar sex toys e mantendo as mãos bem higienizadas.

Confira depoimentos de mulheres que contaram como quebraram esse tabu e experimentaram o sexo anal com outras mulheres.

Acreditam que prazer anal é só do homem

"Na época, namorava uma mulher à distância, o que permitia que passássemos muito tempo conversando. Quando fazíamos sexo por telefone, a gente se tocava. Algumas vezes, sugeri que tocássemos a região anal para experimentar. E foi algo que se tornou um hábito. Quando nos encontramos pessoalmente, o sexo anal rolou sem problemas.

Quando nos vimos pela segunda vez, compramos uma cinta e dildo, mas tentamos penetração só uma vez. Ela não gostou muito porque disse que doeu bastante, mesmo estando relaxada. Então ficamos só usando dedos. O autoconhecimento, intimidade, confiança e comunicação com a parceira são fundamentais para ter uma boa relação sexual. Obviamente eu já tinha parado para pesquisar, mas eu tive que procurar muito na internet.

Já havia visto em pornô, mas a maioria pornô hétero. Temos um problema com pornô lésbico, ele é voltado para o público masculino, então não é muito procurado por lésbicas. Se você não vê mulheres praticando sexo anal, dificilmente terá interesse nisso, já que é algo masculino.

Terminamos o namoro há uns anos e com outras pessoas não tive como explorar esse lado. Eu pergunto antes, mas não gostam nem que cheguem perto da área. No meu círculo de amizades, minhas amigas homossexuais ou bissexuais também dizem que nunca tentaram penetração anal e as que tentaram fizeram só com homens."

Janaína, 23, estudante de Direito

Descobri que era bom em uma relação hétero

"É meio estranho, mas sempre achei uma área bem bonita. Sou bem livre com meu corpo, gosto de me conhecer, de experimentar, então nunca tive problemas em me tocar ou deixar que me tocassem. Sou bissexual e descobri que lamber e beijar o ânus era bom, mas foi em uma relação heterossexual. Só que peguei gosto pela coisa.

Na minha primeira experiência de anal com mulher, foi ela que tomou atitude. Só perguntou se poderia, eu deixei e rolou. Foi ótimo, mas fiquei mais tímida, não me soltei tanto. Fizemos com um pênis de borracha, lubrificante e paciência. Porque, pelo menos para mim, dói no começo. A dica que tenho é usar lubrificante. Não vá na ideia do pornô de que dar uma cuspida e meter para dentro de ladinho é sucesso.

Dá uma vergonha maior falar com meninas sobre anal, mas se tem vontade, tem que tentar. Todo mundo tem [ânus], não é porque está escondido que não deve receber atenção. É que a gente está acostumada a ouvir que homem adora. Mas em uma relação entre duas meninas é raro falar sobre, parece que o ânus é só para as necessidades fisiológicas."

Juliana*, 18, estagiária em administração

Muitas mulheres gostam de anal

"Sou lésbica e descobri o mundo do anal por um conjunto de coisas. Há seis anos faço parte da comunidade BDSM [Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo] e um fator que gosto muito é a exploração de coisas que as pessoas muitas vezes não sabiam que gostavam, ou nem conheciam. Aí eu descobri que muitas mulheres gostam de anal e pensei: 'Talvez eu seja uma delas, mesmo sendo lésbica.'

No começo tive uma restrição pela maior parte dessas mulheres ser heterossexual. Eu não sabia como encaixar isso na minha vivência. Depois, quando entrei na faculdade de medicina, aprendi que o ânus é uma área cheia de nervos e que no sexo pode ser muito prazerosa. Acabei juntando os dois e dei uma chance.

Comecei essa exploração sozinha. Durante a masturbação e dentro dos fetiches do BDSM, com os plug anais. Depois dessas experiências, fui expandindo. Minha ex nunca tinha feito e tinha curiosidade, mas ao mesmo tempo tinha medo. Então fomos brincando. Foi uma conversa muito calma.

O anal ainda é um tabu e quanto mais fora da relação heteronormativa, mais tabu acaba sendo. É difícil trazer esse assunto para outras meninas. Você vai abordar e ela levanta um muro na hora.

Minha dica é tentar primeiro com as mãos e, se quiser usar brinquedos, é a mesma coisa que com a vagina. Você não vai começar com uma tora imensa. Tem que fazer com delicadeza."

Clara, 23, estudante de medicina