menu
Topo

Política


Cristãos e advogados: quem vai cuidar de mulheres no governo Bolsonaro?

.Valter Campanato/Ag. Brasil
Imagem: .Valter Campanato/Ag. Brasil

Marcos Candido

Da Universa

25/01/2019 04h00

Representantes cristãos e pessoas vindas de áreas como o direito vão comandar as secretarias responsáveis pelos direitos da mulher, LGBT e da família do governo Bolsonaro. O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos é comandado por Damares Alves, educadora, advogada e pastora evangélica, que está prestes a oficializar cargos.

Entre os nomes anunciados para o ministério, Damares citou Eronildes Vasconcelos Carvalho. Mais conhecida como tia Eron, ela vai ocupar a secretaria de proteção e dos direitos da mulher -- e, durante seu último mandato, fez parte da chamada "Bancada Evangélica".

Saiba o que são e o que pensam os secretários que vão pensar pelas mulheres e LGBT no governo Bolsonaro.

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

A ministra

A paranaense Damares Alves é advogada e foi assessora do então senador Magno Malta (PR-ES), membro da chamada Bancada Evangélica. Damares contou à Universa que sofreu abuso sexual durante a infância, e fez de bandeira o combate à violência infantil já em seu primeiro pronunciamento.

Criada no nordeste, na década de 80 fundou um comitê de proteção à infância e de crianças em situação de rua em Sergipe. A ministra também estimulou a bandeira contra a pedofilia durante seu trabalho congresso; o tema foi uma das marcas registradas do senador Magno Malta com a instauração da CPI da Pedofilia.

Damares é pastora evangélica. As pregações que fazia antes de se tornar ministra vieram à tona após ela assumir o cargo. Em uma delas, ela defendeu que o cristianismo havia perdido espaço para a ciência ao deixar que a Teoria da Evolução, base da ciência biológica defendida por Charles Darwin, "entrar nas escolas".

Com três dias no cargo, Damares foi criticada ao falar que o novo governo daria início a uma "nova Era", em que "menino veste azul e menina veste rosa". Famosos, como Luciano Huck, protestaram contra a fala.

A fala também gerou uma confusão entre Damares e um atendente de uma loja em shopping em Brasília. O funcionário ironizou a ministra, que usava um vestido na cor azul. O funcionário moveu uma ação contra ela na Procuradoria-Geral da República, mas foi desligado da empresa. 

Sérgio Queiroz

Divulgação/Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos
Secretário Sérgio Queiroz ficará responsável pelo tema dos Direitos Humanos no ministério de Bolsonaro. Engenheiro de formação, é pastor evangélico e foi indicado pela Ministra Damares para a pasta do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos Imagem: Divulgação/Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

É procurador da Fazenda, engenheiro civil, direito, cientista social, mestre em filosofia, doutor em teologia e pastor à frente da igreja evangélica Cidade Viva, na Paraíba. Ele será responsável por cuidar dos Direitos Humanos e LGBTs do governo Bolsonaro.

Em entrevista à Universa, o secretário afirmou que serão mantidos direitos da população LGBT em se casar. No ano passado, dezenas de casais LGBTs correram para oficializar a união por medo de declarações feitas pelo Jair Bolsonaro de combate à chamada "ideologia de gênero. O secretário também diz que pretende mapear crimes de intolerância e incluir pautas como acesso à água no semiárido nordestino na pasta que ocupa.

Tia Eron

Pedro Ladeira/Folhapress
Tia Eron vota pela cassação de Cunha no Conselho de Ética, em 2016 Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

A deputada federal Tia Eron ganhou destaque ao dar o voto de Minerva na cassação de Eduardo Cunha em uma comissão ética da Câmara, em 2016.

A carreira política da parlamentar começou na Igreja Universal do Reino de Deus, de onde herdou o apelido "Tia" por ser monitora do grupo de crianças da igreja. Baiana, Eron é deputada federal pelo PRB e foi a primeira vereadora negra eleita em Salvador, em 2000.

Como parlamentar, Tia assinou projetos como a proibição do nome social para transgêneros que são funcionários públicos. No último, tentou aprovar uma cota de 10% do Fundo Partidário para partidos que incluíssem candidatos negros.

Apesar disso, não foi reeleita como deputada federal. Seu nome é ainda um dos que não foram anunciados oficialmente, apesar de ela já ter se reunido com secretários para debater o futuro do ministério.

Angela Gandra

Pedro Ladeira/Folhapress
Angela Gandra Martins, Secretária da Família do Ministério da Mulher, Família e dos Direitos Humanos Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

A também advogada Angela Gandra ocupará a Secretaria da Família. É católica, e chamou a atenção da ministra Damares após discursar contra o aborto na sessão que discutiu o procedimento no Supremo Tribunal Federal no ano passado.

Em entrevista à Folha, Gandra afirmou que pasta vai cuidar da projeção da "família em termos sociais, econômicos e de sustentabilidade de relações", o que ela ressalta que não se trata apenas de homem e mulher. Sobre aborto, Gandra afirmou que a secretaria vai preservar "a vida".

Angela é mestre em filosofia do direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e é filha de Ives Gandra, jurista e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo.

O Ministério

O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos tem cerca de duas dezenas de atribuições, que foram herdadas do antigo governo. Ainda não se sabe qual responsabilidades serão mantidas ou distribuídas.

Por ora, o órgão federal de Damares é responsável por campanhas e projetos relacionados a temas dos Direitos Humanos, direitos das mulheres, proteção e direitos dos LGBTs, idosos, crianças e adolescentes, população em situação de rua, refugiados, preservação da diversidade religiosa, combate ao trabalho escravo, combate à tortura, abrigo político e, por fim, igualdade racial.

O que faz um ministério?

Um ministério não aprova ou apresenta leis. Essa função é do Poder Legislativo. O ministério ajuda a colocar em prática leis aprovadas no Congresso, cria campanhas, conselhos nacionais e articula interesses do presidente ou de outros ministérios para determinado tema.

O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, por exemplo, é responsável pelo Ligue 180, central que recebe denúncias de violência doméstica e ajuda a compreender a violência doméstica no País. Bolsonaro também colocou a Fundação Nacional do Índio (Funai) sobre o comando do Ministério e empossou o general Franklimberg Ribeiro de Freitas para a pasta.