menu
Topo

Política


Suplente de Wyllys: "Tenho medo, mas vou pra Brasília com pernas tremendo"

Arquivo Pessoal
David miranda Imagem: Arquivo Pessoal

Talyta Vespa

Da Universa

24/01/2019 19h33

O vereador David Miranda, de 33 anos, é suplente de Jean Wyllys na Câmara dos Deputados e foi pego de surpresa com a saída do colega. Apesar de garantir que sabia das ameaças sofridas pelo deputado, que chegavam desde mensagens em redes sociais até telefonemas, não imaginava que precisaria ocupar tão logo o cargo conquistado por Wyllys, reeleito em 2018, com mais de 24 mil votos. 

À Universa, Miranda afirma que também já foi ameaçado. A mais terrível delas, ele lembra, aconteceu enquanto caminhava pelas ruas do Rio de Janeiro. "Esse veado aí é aquele vereador. Ele tem que morrer". "Fiquei com medo, mas enfrentei. Sou favelado, eu sempre tive que enfrentar. Tinha oito anos quando vi, pela primeira vez, um cadáver, que estava caído em frente à minha casa, no Jacarezinho", conta. A comunidade é uma das maiores do Rio de Janeiro. Ele foi eleito como vereador em 2016.

Ameaças deixam com medo

"É claro que estou com medo. Mataram Marielle, tentaram matar o [deputado Marcelo] Freixo, Jean estava na mira e até a vereadora Talíria Petroni (PSOL-RJ) recebeu ameaças por telefone. Mas vou para Brasília com as pernas tremendo mesmo, não importa. Não somos super-homens, se tomarmos um tiro, morremos. Ainda assim, temos uma responsabilidade moral e cívica quando decidimos entrar na política. Temos responsabilidade com as pessoas. Assassinaram Marielle tentando silenciar os ativistas. Não vão conseguir". 

O deputado suplente tem dois filhos, adotados em Maceió, um de nove e outro de 11 anos. Os três moram com mais 25 cachorros.

Miranda só veio a descobrir a saída do colega nesta quinta (24), após a reportagem da Folha de S. Paulo. "Estava de férias com as crianças e me desliguei de tudo. De redes sociais, do telefone. Logo depois da reportagem da Folha, recebi uma ligação do partido confirmando que eu assumiria. Foi um susto, mas estou pronto". 

Mais projetos aprovados que o presidente

Sobre os dois anos atuando na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, ele garante que não lembra do número de projetos que aprovou, mas ressalta um em especial: "Propus uma emenda de lei orgânica que coloca servidores, pensionistas e aposentados como prioridade máxima na folha de pagamento do Estado. Por isso, não podem mais parcelar o salário dessas pessoas. Se acontecer, as contas são congeladas, o que impede amortização de dívida e pagamento de fornecedores. A prefeitura para", explica. "Essa medida aquece e movimenta a economia. Essas pessoas giram em torno de R$ 1,2 milhão por mês. Elas gastam esse dinheiro consumindo na cidade".

Miranda respondeu a um tweet do presidente Jair Bolsonaro que dizia "Grande dia", minutos depois de Wyllys anunciar que deixaria o mandato. O próprio presidente, minutos depois, negou que a mensagem se referia ao ex-colega de Câmara. Para Miranda, o pronunciamento não surpreende: "Bolsonaro é um despreparado para ser presidente. Figuras como ele não vão conseguir se manter. Ele não se assegurou internacionalmente, nem em debates e discursos. Vamos desconstruir esses personagens. Vai haver um limite para falar de mentiras como mamadeira de piroca e kit gay". 

No tweet que respondeu a comemoração de Bolsonaro na tarde dessa quinta (24), David disse: "Respeite o Jean, Jair, e segura sua empolgação. Sai um LGBT mas entra outro, e que vem do Jacarezinho. Outro que em dois anos aprovou mais projetos que você em 28. Nos vemos em Brasília", ele disse. Miranda tem 11 propostas sancionadas nos seus três anos de vida pública. Bolsonaro tem apenas dois projetos aprovados em 28 anos como deputado.

A experiência de vida é a arma de Miranda, segundo ele. O primeiro emprego foi com nove anos de idade. Ele era auxiliar de dentista e distribuía panfletos na comunidade. A mãe morreu quando ele tinha apenas cinco anos, e foi a tia quem o criou com seus outros cinco filhos. "A vida foi dura. Não é fácil crescer na favela, mais ainda sendo LGBT. Quem sobrevive fica com sequelas. Eu tenho as minhas e vou usá-las para defender pessoas como eu: negras, faveladas e LGBT". 

*com Marcos Candido