menu
Topo

Mães e filhos


Mães e filhos

Google teve que repensar uso da palavra "família" após apelo de funcionário

Getty Images
Funcionário falou que a empresa teria sido "homofóbica e ofensiva" ao usar termo como sinônimo para "casais com filhos" Imagem: Getty Images

Da Universa

20/01/2019 11h08

O Google teve que repensar o uso da palavra "família" após reclamações de funcionário, que teria dito que o contexto em que ela foi aplicada em um evento foi "homofóbico, inapropriado, ofensivo e errado". As informações são do jornal "Daily Caller News", que teve acesso a comunicados internos. 

O caso aconteceu em março de 2017, quando o quadro de funcionários teve uma apresentação sobre um produto destinado a jovens adultos. De acordo com as reclamações de um dos empregados, o termo foi usado, na ocasião, de forma a excluir formatos de família que não são compostos por um pai, uma mãe e crianças, como, por exemplo, núcleos familiares de casais homossexuais, pares que não têm (e não pretendem) ter filhos e etc. 

Segundo o veiculo, aproximadamente 100 pessoas do campus do Google concordaram com a visão do reclamante quando uma enquete foi feita na rede da empresa. "É uma forma desrespeitosa de falar. Se você quer dizer 'crianças', diga 'crianças'. É uma ótima palavra para isso. Usar 'ambiente adequado para famílias' como sinônimo para 'adequado para crianças' significa, para mim, que 'você e seus entes queridos não contam como uma família a não ser que vocês tenham filhos'", o funcionário escreveu em seu comunicado. "E há crianças que não tem família também, você sabe". 

O reclamante deixou claro, no entanto, que não era sua intenção banir a palavra completamente do QG do Google. Ele só quis mostrar seu descontentamento sobre o uso do termo para se referir especificamente a "pais". 

"O uso da palavra 'família' como um sinônimo para 'com filhos' é largamente associação a organizações que são extremamente homofóbicas", a pessoa relembrou. "Isto não quer dizer que deveríamos deixar de usar o termo para nos referir a famílias, mas que deveríamos deixar claro que núcleo familiar não implica necessariamente na presença de crianças". 

Outros funcionários participaram da discussão que aconteceu no site de comunicados internos do Google. Uma pessoa solteira, mas com um namorado e sem intenções de casar, falou que usava a palavra para se referir a ela e o companheiro, enquanto uma mulher casada disse que considera ela, o marido, os pais e os bichos de estimação como uma família. Outro funcionário complementou: "Minha família consiste em mim e várias mulheres transgênero. Nós nos apoiamos e esperamos um dia morar juntas". 

A vice-presidente do Google Pavni Diwangi entrou na discussão dizendo que a empresa repensaria o uso do termo. "Percebi que podemos ter causado um desconforto sobre a forma que falamos sobre famílias. Precisamos ser mais conscientes sobre o fato de que há diversos formatos de famílias e pais", ela escreveu. "Por favor, ajude-nos a nos desenvolvermos. Ensine a gente como falar de uma forma inclusiva se vocês acham que não estamos fazendo isso bem. Como uma equipe, temos uma cultura bastante inclusiva e gostaríamos de fazer isto corretamente nesta área".