menu
Topo

Mães e filhos


Mães e filhos

Juliana Didone fala sobre mudança do corpo após o parto: "Bate o desespero"

Reprodução/Instagram
Juliana Didone e Liz Imagem: Reprodução/Instagram

Da Universa

17/01/2019 13h59

Kylie Jenner, Hilaria Thomas, Bella Falconi, Chrissy Teigan... Cada vez mais mulheres famosas estão abrindo o jogo sobre as mudanças do corpo depois da gestação e do parto. 

Juliana Didone, que há oito meses deu à luz sua primeira filha, Liz, usou o Instagram na quarta-feira (9) para fazer um relato sincero sobre os impactos deixados pela gravidez. 

"O início da maternidade é tão intenso e tão cansativo que não sobra disposição para se olhar, se cuidar. E bate o desespero! Será que vou ficar com esse culote, com esse excesso de peso, com essa pochete para sempre?", escreveu a atriz. 

Didone, que posou fazendo ioga, tranquilizou outras mães: "Aos poucos vem uma energia extra que faz você ter desejo de dar uma corrida, pegar um sol, se alongar, se mexer um pouco". 

Apesar de Liz não ter completado nem um ano de vida, a nova mamãe já começou a perceber que a maternidade é dividida em fases. 

"Primeiro nasce a mãe em tempo integral, 25 horas por dia. Aos poucos, essa mãe também se descobre criança, se descobre mulher, profissional, se descobre individual. Esse último, por apenas alguns poucos momentos", brincou. 

Leia o relato completo: 

A transformação do corpo depois de uma gravidez é visível, pra umas mulheres pequena, pra outras mulheres enorme. Para outras tantas, uma insatisfação.

E esse início da maternidade é tão intenso, tão cansativo que não sobra disposição pra se olhar, pra se cuidar. E então, bate o desespero! Será que vou ficar com esse culote, com esse excesso de peso, com essa pochete horrorosa pra sempre? Talvez, mas possivelmente não. Porque aos poucos vem uma energia extra que faz você se olhar de novo com atenção e desejo de dar uma corrida, pegar um sol, se alongar, se mexer um pouco. Os desejos são mutantes assim como nós depois do nascimento de um filho. Primeiro nasce a mãe em tempo integral, 25 horas por dia; aos poucos essa mãe também se descobre criança, se descobre mulher, profissional, se descobre individual. Esse último, por apenas alguns poucos momentos. Que seja. 

Eu desejo que nesse início de ano você se acalme e de tempo pra coisas acharem o seu lugar. Desejo que você não se culpe demais, mas que você tenha um momento de se visitar lá dentro pra descobrir qual a tua prioridade diária. Que a gente dê passos firmes, sem pressa, sem peso. Com amor e propósito. E sabe quem sai ganhando com isso, você e seu bebê.