menu
Topo

Inspira

Ideias para uma vida mais plena


Mulheres com familiares desaparecidos contam o drama que é viver na dúvida

Getty Images
Imagem: Getty Images

Carolina Prado e Simone Cunha

Colaboração para Universa

15/01/2019 04h00

De acordo com dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, reunidos no Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2018, 82.684 desaparecimentos foram registrados no Brasil em 2017. E quem tem um familiar desaparecido, compondo essas estatísticas, vive o vazio da perda e a incerteza da dúvida, diariamente. Segundo a psicóloga Luciana Mazorra, Mestre e Doutora pelo Programa de Psicologia Clínica da PUC-SP e integrante do 4 Estações Instituto de Psicologia (clínica especializada em perdas e lutos), esse é um tipo de luto não reconhecido. "O enlutado não consegue elaborar essa perda porque não houve um ritual, como o velório, o que dificulta a aceitação", explica. 

Para a psicóloga Celina Daspett, que integra um grupo de pesquisa sobre o tema na Unifesp, a incerteza é muito dolorida. Afinal, a angústia da separação é amenizada pela esperança do reencontro. "Porém, sempre que a ausência é constatada novamente, a dor reaparece, com maior intensidade", diz. Ela acrescenta que esse tipo de perda está entre as mais difíceis de ser vivenciada. 

Fabiana, a filha de Ivanise Espiridião da Silva Santos, de 57 anos, desapareceu em 1995, aos 13 anos. "Procuro uma resposta até hoje. Como pode uma menina sumir assim e ninguém saber de nada?", questiona a mãe. Para ela, essa é uma busca sem fim: "Tenho muita esperança de reencontrá-la, é isso o que me mantém viva". Ela conta que esperava que a filha fosse encontrada logo, mas o tempo foi passando e, num determinado momento, Ivanise percebeu que ninguém mais se importava. "Ficou um vazio, porque a gente não se acostuma com a situação, não aceita que desapareceu e acabou", diz. 

Para atenuar sua dor, Ivanise fundou o Mães da Sé, um grupo de apoio para familiares de desaparecidos. "O desaparecimento é um fenômeno social, porém, quando você chega na delegacia, já existe uma opinião formada: se é criança, fugiu por maus tratos; se é menina, está com namoradinho; se é rapaz, se envolveu com drogas; se for casado, foi embora com outra. Não há muito interesse nessa procura", diz.

Dúvida que machuca 

"Enquanto eu tiver 1% de esperança, vou procurar por ele, por uma resposta, porque viver um luto sem corpo é inaceitável", fala Debora Alves Inácio Bispo dos Santos, 42 anos, que tem o filho Kaio, de 17 anos, desaparecido desde 2013: "A busca é cruel, porque quem procura é a família. Meu filho não sai da minha mente, penso nele 24 horas por dia, a cada segundo". 

Para Celina, não é possível delimitar um tempo para que a procura termine e a esperança deixe de existir. "Até que a constatação da morte aconteça, sempre haverá uma possibilidade. Os familiares ficam atrás de pistas, de algo que concretize essa perda. Só essa constatação permite que a dor seja vivida em sua plenitude", avalia. 

É muito difícil quem aceite a situação e simplesmente desista de procurar o ente querido. "Uma vez por mês, eu e meu marido vamos ao Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), ao IML e a hospitais. Já fomos para outras cidades, procuramos em albergues e até na Cracolândia", diz Rosecler Januário da Silva, 49, esposa de Fernando, que está com o irmão desaparecido há seis anos. João, na época com 49 anos, entrou na rodoviária para visitar um cliente e nunca mais foi localizado. "Meu marido não se conforma, fica muito calado e triste, não consegue aceitar que o irmão possa ter sumido assim", diz.

Segundo Ana Cristina de Freitas Rocha, coordenadora da Casulo - Associação Brasileira de Apoio ao Luto, a angústia nunca vai deixar de existir, pois o desaparecimento provoca um luto que se estende indefinidamente. "É um tipo de perda que gera culpa e impotência, a pessoa fica imaginando uma série de possibilidades, mas não pode resolver, encontrar uma saída".

A psicóloga Luciana ressalta que é válido esgotar todas as tentativas de busca, como também é essencial levar a vida adiante: "O luto envolve um processo de oscilação, sendo que, inicialmente, ele ocupa muito espaço. Mas há um momento em que é preciso restaurar a vida, deixando para esse luto um espaço cada vez menor". Para isso, os grupos de apoio podem ajudar, pois a troca faz a pessoa sentir-se mais acolhida. Contar com uma ajuda psicoterápica também pode ser essencial para ajudar a elaborar essa perda.

Mais Inspira