menu
Topo

Mães e filhos


Mães e filhos

Padaria faz biscoito com maconha por engano para chá de bebê nos EUA

Reprodução/Pixabay
Imagem: Reprodução/Pixabay

da Universa, em São Paulo

09/01/2019 16h01

A dona de uma padaria em Filadélfia, no estado americano da Pensilvânia, foi parar nos tribunais depois que entregou uma encomenda de 65 biscoitos com maconha por engano para um chá de bebê.

Segundo o jornal local "The Mercury",  Jamie Troxel, proprietária da Troxy's Treats, acabou trocando a manteiga convencional por uma com o ativo THC (tetraidrocanabinol), substância responsável pelos efeitos psicotrópicos da maconha.

O detetive Stephen Craig, responsável pelo caso, informou a publicação que 11 dos 60 convidados experimentaram tontura e mal-estar -- alguns chegaram a ser levados para o pronto-socorro.

Lá, os médicos examinaram os pacientes e pediram exames de sangue que identificaram a presença da substância no organismo. "As pessoas ficaram chocadas e surpresas, não tinham nenhuma explicação para como o THC teria ido parar em seus corpos", disse Stephen.

O futuro pai do bebê e dono da festa então ligou para Jamie, mas ela, a priori, teria negado que os biscoitos contivessem o princípio ativo da maconha, mas se desculpou pelo mal-estar dos convidados.

No entanto, à polícia, ela acabou explicando que fez uma fornada dos doces para o seu próprio consumo, para controle de seu transtorno de ansiedade, e acabou confundindo as massas no refrigerador. 

"Ela descreveu o processo de confecção dos biscoitos com THC através da produção de manteiga com maconha. Ela reconheceu que já os fez anteriormente, mas nunca para vendas", esclareceu o detetive.

Por causa do engano, Jamie Troxel recebeu uma sentença de um ano de liberdade condicional, além de 36 horas de serviço comunitário e multa de US$ 2.947 para restituir os gastos médicos dos convidados que passaram mal.

"A parte assustadora [da história] é que muitos destes biscoitos foram distribuídos no fim da festa como um presente e as pessoas os comeram e então foram dirigir seus carros, sem saber que logo estariam sob o efeito do THC. Algo de muito errado poderia ter acontecido. Ainda bem, ninguém se envolveu em um acidente", comentou o promotor do caso Evan Correia ao jornal.