menu
Topo

Relacionamentos


O namoro vai vingar? Casais juntos há mais de 15 anos entregam as pistas

Getty Images
Imagem: Getty Images

Claudia Dias

Colaboração para Universa

08/01/2019 04h00

Quase uma regra, todo início de relacionamento traz aquele encantamento tão grande que a turma mais apaixonada já começa a projetar um futuro bem grudadinho, muitos anos à frente. Mas não dá para prever o que vai acontecer. Por isso, fomos atrás de gente com aliança no dedo há bastante tempo para descobrir indícios de que a relação pode vingar. Pedimos a vários casais, juntos há mais de 15 anos, que apontassem algumas pistas de que um relacionamento tem potencial. Será que você se identifica?

Sem competição 

Sabe aquela cena em que duas pessoas ficam duelando, exibindo os feitos individuais? Se forem um par, é crítico, pois o casal com chances de ficar junto para sempre é aquele que não disputa entre si. "Não costumamos competir um com o outro --quem manda em casa, quem tem mais poder, quem ganha mais. Somos quem somos e sabemos lidar com os pontos positivos e negativos um do outro", diz a bancária Mara Rúbia de Aguiar Brito, 40 anos, casada com o professor Sérgio Ricardo dos Santos, 46. Eles estão juntos há 24 anos.

A admiração é mútua

Indício forte de que a relação vai longe é um admirar o outro --e vice-versa. "É bastante complicado passar pelos momentos de crise, seja por falta de grana, situações familiares, filhos, emprego? Mas é muito possível quando se está com alguém que tem atitudes e ideias que você admira. A gente já se reconquistou inúmeras vezes por admirarmos um ao outro", afirma Rejana Andrade, vice-diretora escolar, 47 anos, casada há 28 com o coordenador financeiro Renato Andrade, 47.

Incentivo para o crescimento 

Além de admiração, apoiar e incentivar o desenvolvimento do par é bastante positivo, mesmo que isso signifique alguns sacrifícios na fase do namoro ou início do casamento. É o que acredita a jornalista Suely Oda Coulter, 45, casada há 19 anos com o engenheiro agrônomo Ronald Coulter Jr. "Metade do namoro de sete anos foi à distância, mas continuamos firmes. O amor, sozinho, não é suficiente para sustentar os desafios. Por isso, ainda hoje, sempre incentivamos o crescimento um do outro. Assim, nossa família cresce junto", avalia.

Apreciar o lado simples da vida

Bastante importante é se divertir e encontrar graça não só nas ocasiões especiais, mas também no dia a dia do casal. "Curtir as coisas simples da vida só nos fortaleceu, cada vez mais. Sempre tivemos e gostamos de coisas em comum e seguimos fazendo muitas delas até hoje, como reunir os amigos, ir para a praia", diz a vendedora Veridiana Maio Minha, 45, mulher do comprador Estevão Minha, 56. Os dois namoraram 9 anos e casaram há 16.

Rir a dois

Diante das fases nebulosas que todo casal enfrenta por vários motivos, é muito importante ter alguém ao lado, que faça sorrir. "Tive certeza de que era 'o cara' pela capacidade dele de me fazer rir. Isso sempre foi natural e me faz um bem danado. Ele traz essa alegria para minha vida e me faz acreditar que sempre há um lado divertido em tudo", diz a jornalista e empreendedora Luciana Fuoco, 38, sobre o marido Cristiano Lanza Liveraro, 44, juntos há 17 anos.

Respeitar a individualidade 

Não é porque duas pessoas resolvem ser um casal que devem esquecer que cada um continua tendo seus interesses, vontades e particularidades. Respeitar isso é imprescindível para a saúde de qualquer relacionamento. "Nossa relação é baseada na nossa liberdade, individualidade e em muita confiança. Não cobramos nada um do outro, a não ser respeito. E mesmo tendo nossa individualidade, nos completamos de uma forma inexplicável", assegura a analista de sistemas Cristiane Drumond Esquírio, 43 anos, há 18 anos com o fotógrafo Marcus Vinicius Laranjeira, 43. 

Mirando o mesmo caminho

Mesmo sendo pessoas bem distintas, o necessário é ambos quererem alcançar um objetivo em comum e olharem para direção idêntica. "Éramos bem diferentes, mas queríamos ir para o mesmo lado. Um sempre ajudou o outro e cada um completou o que faltava no outro. Até hoje é assim", comenta a empresária e engenheira civil Alessandra Soares Antunes Garcia, 36, casada com Cleber Veiga Garcia Junior, 38, mesma profissão. Os dois somam 18 anos juntos.

Um dia de cada vez

E não adianta querer apressar as coisas ou se preocupar mais do que deve com o futuro. Um dos segredos da boa relação é viver um dia atrás do outro. "É resolver os problemas diários, focando naquilo que se quer. Temos que viver todos os dias sem arrependimentos do que fizemos, para termos uma família feliz", acredita a gerente Márcia de Albuquerque Junqueira, 42, há 20 anos o lado do empresário Emerson Machado Storrer, 47.

Pensar igual...

As chances promissoras para um futuro a dois aumentam consideravelmente quando o casal encara a vida do mesmo jeito e tem os interesses e a maneira de lidar com o dia a dia muito parecidos. "No começo de namoro, aquele defeitinho pode ser insignificante, mas os anos juntos vão somando um peso muito considerável a essas pequenas coisas. Imagina, então, se não tiverem gostos musicais parecidos, estilos, ritmos, opiniões e até uma 'energia' parecida? Com o passar dos anos, se transformaria numa pequena batalha para garantir suas preferências e ideias", acredita Flavia Oliveira, 42, casada há 25 anos com Ezequiel, 47. Ambos são empresários.

... E, também, discordar

Mas ter opiniões divergentes também pode ser importante para o crescimento da relação. Paulo Vieira, 51 anos, master coach, é casado há 19 com Camila Saraiva, 45. Eles estenderam a parceria do casamento para o mundo dos negócios e há sete anos Camila se tornou sócia-diretora da empresa Febracis, fundada por ele. "Temos características bastante diferentes --ela é detalhista e focada em processos e sabe a hora de dizer não; eu sou mais visionário, extrovertido e ligado às pessoas. Eu crio e ela faz acontecer e é justamente por isso que dá certo", conclui Vieira. A entrada de Camila foi fundamental para o crescimento da empresa.