Topo

Papo de vagina


15 fatos sobre vaginas que você provavelmente não sabia

iStock
Chamamos de vagina o que está entre o hímen e o colo do útero Imagem: iStock

Da Universa

2018-12-16T04:00:00

16/12/2018 04h00

Apesar de ser um órgão envolto por muitos mitos e tabus, a vagina é também alvo de muita fascinação. Órgão interno do corpo feminino, ela é uma parte do corpo extremamente complexa e também fonte de prazeres inigualáveis. 

Prepare o espelhinho e chegue mais perto para conferir esses 15 fatos sobre vaginas que você precisa saber.

1. Vagina é um órgão interno

O nome vagina está relacionado ao canal muscular que liga o colo do útero ao hímen. A parte externa, de pequenos e grandes lábios, é o que compõe a vulva, e a uretra fica na saída da vagina. Vale lembrar que a mulher possui dois orifícios na região: a da entrada da vagina e a da uretra, de onde sai a urina. De acordo com a ginecologista e sexóloga Nelly Kobayashi, "o orifício da uretra é muito pequeno em relação à vagina, podendo ser difícil identificar para mulheres". 

2. O hímen é inútil

O hímen é uma fina membrana localizada na entrada da vagina. Ele faz parte do desenvolvimento fetal feminino, mas não possui nenhuma função específica no corpo humano. Ainda que seja muito pequeno, qualquer pessoa pode detectá-lo.

3. Os pelos púbicos têm um propósito

Enquanto o hímen não apresenta nenhuma função específica para o corpo da mulher, os pelos púbicos possuem um propósito. Eles servem como uma barreira protetora para o tecido genital, além de serem um amortecedor contra o atrito. Apesar da utilidade, a existência ou não de pelos púbicos não interfere na saúde da mulher. "A recomendação sobre depilação é diferente de cada ginecologista, mais baseado em experiência e opinião pessoal. No tempo das cavernas, quando se vivia no meio da selva e sem roupas, o pelo poderia oferecer proteção; hoje em dia, não faz muita diferença", afirma Kobayashi.

4. A vagina pode mudar de tamanho e formato durante a excitação

O tamanho médio de uma vagina é de 8 centímetros, mas quando uma mulher está excitada, este tamanho pode alterar. Isto ocorre porque o útero é puxado para cima durante a excitação e, consequentemente, o seu colo também. Assim, a vagina fica um pouco mais ampla. "Essa diferença de tamanho não é significativa e a movimentação é muito rápida", explica Kobayashi. Mas atenção: isso ocorre apenas com a parte interna do órgão genital. 

5. O clitóris não é um "botão"

iStock
Imagem: iStock

Diferentemente do que muita gente pensa, o clitóris é na verdade a ponta de um iceberg no corpo da mulher. O que aparece na vulva é apenas uma parte do órgão completo, que tem o formato de V invertido.

6. Vaginas são autolimpantes 

A vagina possui uma flora natural que se encarrega de eliminar bactérias nocivas para o corpo. Já a vulva, a parte externa, Kobayashi recomenda que seja lavada com sabonete neutro. 

7. Orgasmos podem realmente aliviar cólicas menstruais

Não é mito! Em período menstrual, ter um orgasmo pode aliviar as cólicas menstruais e isso tem uma explicação hormonal. Durante a excitação, são liberadas endorfinas que provocam a sensação de bem-estar e, consequentemente, diminuem as dores da cólica. 

8. Vaginas são muito diferentes entre si

Não existe um padrão: elas podem ser de diferentes formatos e cores. 

9. O muco cervical pode indicar quando uma mulher está em um período fértil

O corpo feminino dá sinais de que está fértil por meio do muco cervical. A vagina expele uma secreção branca que, quando próxima da ovulação, se torna ainda mais clara e elástica, podendo ser esticada entre os dedos. Em outros momentos do período menstrual, a secreção se apresenta esbranquiçada, espessa e sem odor. Entretanto, é necessário prestar atenção ao que é muco cervical e corrimento. "Corrimento vem acompanhado de outros sintomas como mau cheiro, coceira e irritação", explica Kobayashi.  

10. Sua vagina pode mudar após o parto

iStock
Imagem: iStock

A abertura cervical pode mudar um pouco na aparência depois de uma mulher dar à luz. "Pode mudar também a coloração e ela pode ficar mais 'elástica', mas depende da idade, da genética e se a pessoa realiza exercícios para o períneo", explica a ginecologista. 

11. É possível contrair uma infecção de diferentes formas 

Uma infecção não necessariamente é proveniente de uma relação sexual sem proteção. Usar roupas molhadas por muito tempo, ingerir muito álcool, açúcar ou tomar antibióticos são algumas outras causas para pequenas infecções na vagina, já que esses hábitos causam um desiquilíbrio na flora do órgão.

12. É impossível perder um objeto dentro da vagina

É possível que algum objeto introduzido na vagina seja difícil de ser removido, mas é impossível que algo se perca lá dentro. Isso ocorre porque a vagina tem um tamanho limitado, que varia entre mulheres. Como mencionado anteriormente, o tamanho médio é de 8 centímetros, mas ela pode chegar a cerca de 15, durante a penetração. 

13. Vaginas são ácidas

Elas possuem pH 4.5, o que permite que os espermatozoides permaneçam e nadem por lá. De acordo com Kobayashi, eles podem ficar até uma hora dentro das vaginas, e a maioria deles não sobrevive com esse ph. "Os que sobrevivem até 3 dias são os que passaram da vagina para o útero", explica.

14. O hímen não é capaz de definir se uma mulher é virgem ou não

iStock
Imagem: iStock

Existem diversas formas de se ter uma relação sexual sem envolver penetração, portanto, afirmar que alguém é virgem ou não baseando-se na membrana é um erro. Além disso, o hímen pode se romper de diversas formas e nem sempre isso acontece durante uma relação com penetração. Depende de cada corpo. 

15. É possível exercitar a vagina

Existem exercícios específicos para a vagina, o chamado pompoarismo; e ele traz diversos benefícios para a mulher como melhora no desempenho sexual e na incontinência urinária. 

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do informado em versão anterior desta matéria, o hímen é uma estrutura que não tem função específica no corpo da mulher, e não o clitóris. A informação já foi corrigida.