menu
Topo

Inspira

Ideias para uma vida mais plena


Após câncer de mama, ela cruzou Brasil e EUA de moto e conta sua história

Johanes Duarte/Divulgação
As duas "Anas" em viagem aos Estados Unidos Imagem: Johanes Duarte/Divulgação

Marcos Candido

Da Universa

14/12/2018 04h00

A gaúcha Ana Sofia subiu em uma moto e pilotou por 28 mil quilômetros, em dois países, durante 115 dias. Isso significa atravessar rodovias nem sempre bem pavimentadas e passar por perrengues que acontecem em toda viagem. Mas tem uma bela recompensa: ver paisagens em constante mudança em climas que variavam de 3°C a 40°C. A experiência de três meses foi bem-sucedida, mas já havia nascido de uma vitória. "Elaborei a viagem quando percebi que tinha conquistado minha alforria: há dez anos, eu venci um câncer de mama", comemora.

Ana organiza um moto clube em Porto Alegre (RS) com a sócia, Ana Pimenta, que topou a aventura com a amiga. Elas iniciaram a viagem em maio, em sua cidade natal, e atravessaram o país todo até chegar ao Amazonas, de onde pegaram um avião até o Texas, nos EUA. O fim da jornada foi a cidade de Milwaukee, no estado norte-americano de Wisconsin, no final de agosto. A convite de uma fabricante de motos, elas visitaram concessionárias e distribuíram lembretes sobre a importância do exame preventivo do câncer de mama. No Brasil, estima-se que 60 mil mulheres serão diagnosticadas até o fim deste ano. No mundo, serão cerca de 2 milhões de diagnósticos em 2018.

Ana descobriu que tinha câncer após um banho, fazendo um autoexame. Desconfiada do nódulo, correu para o hospital para tirar a dúvida. "Quando me chamaram para mostrar o resultado dos exames, eu já sabia o que era", relembra. Os médicos a submeteram a uma mastectomia e quimioterapia.

Passar por esse tipo de experiência mudou a percepção de Ana sobre a vida. "Eu sempre tive um espírito aventureiro, mas ainda me sentia contida. Agora, se tenho a oportunidade, eu vivo as experiências ao máximo e com responsabilidade. Vivemos muito reclusos, e percebi que pequenos desvios na nossa trajetória de vida não fazem mal", diz.

Johanes Duarte/Divulgação
A dupla de "Anas" no Estados Unidos durante a viagem Imagem: Johanes Duarte/Divulgação

A viagem

Apaixonada por motos, ela se lançou na estrada após cerca de seis meses de planejamento. Não sem perrengues. Assim que deram partida em maio, eclodiu em todo o País a greve dos caminhoneiros. Com dificuldade para abastecer, a dupla enfrentou atrasos para ir de Curitiba a Londrina, no interior do Paraná. Meses depois, um engarrafamento nos Estados Unidos também danificou uma das motos, mas sem gravidade.

O clima também foi um desafio: de 3º C no trecho de serra de Santa Catarina, no inverno, a cerca de 40º C no auge do verão no estado americano de Nevada. "Nós rodamos de acordo com a circunstância. Levamos o que dava na mala: duas calças jeans e algumas roupas", diz.

A chegada

No trecho brasileiro, a dupla passou pelos estados do Sul, Sudeste, Centro-oeste e Norte. No Amazonas, tomaram um avião para os Estados Unidos e cruzaram o país. Começaram pela Flórida, passaram pela Georgia, Kentucky, Texas, subindo a costa oeste pela Califórnia, indo pelo norte dos Estados Unidos até chegar finalmente Wisconsin. Lá, na cidade de Milwaukee, fizeram uma visita ao Museu da Harley Davidson, com direito à presença dos herdeiros da família Davidson. "A gente vive em um mundo tão pesado que uma viagem como essa me mostrou uma leveza que ainda existe no mundo", conclui.

Mais Inspira