menu
Topo

Relacionamentos


Relacionamentos

5 cantoras que deram um basta no machismo com músicas para os ex-namorados

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Da Universa

10/12/2018 20h16

Nesta segunda-feira (10), Cardi B, um dos maiores sucessos do rap norte-americano atual, conversou com seus seguidores no Instagram sobre o término com o rapper Offset.

Na ocasião, a artista rebateu os comentários de que estaria usando o fim do relacionamento como um "golpe de marketing" para atrair os holofotes: "Eu não colocaria minha família nesta situação por nenhuma droga de marketing, porque daqui a dez anos minha filha olhará esse tipo de coisa e me fará perguntas", declarou.

Veja também:

E (infelizmente) não é de hoje que a construção da imagem de mulheres na indústria da música é machista, principalmente quando essas artistas usam o repertório de suas vidas amorosas como material para suas músicas. O que nos remete à entrevista de Dua Lipa, eleita a Mulher do Ano de 2018 para a "Variety".

"A misoginia pode ser tão profunda. No segundo que um cara canta, 'estou com o coração partido', todo mundo fica 'coitadinho'. Por outro lado, quando uma garota diz algo que dá poder ou 'eu não me importo mais com essa pessoa', falam que ela é uma 'vadia', comentou a britânica à revista.

Por isso -- mas não só por isso, reunimos 5 cantoras do pop atual que deram um basta no machismo ao pautar o fim dos seus relacionamentos em suas músicas.

1. Dua Lipa

Começamos pela britânica, que ganhou notoriedade na indústria depois do lançamento da música "New Rules". Nela, a cantora, de 23 anos, escreveu sobre o término de um namoro e conquistou seus fãs ao reforçar a importância do amor-próprio para as mulheres - que protagonizam o videoclipe da faixa.

O sucesso foi tanto que abriu caminho para que ela se estabelecesse como uma das vozes para quem "levou um pé na bunda", mas colocasse a autoestima acima disso; discurso concretizado com o hit "IDGAF".

2. Taylor Swift

A cantora, atualmente com 28 anos, viu a mídia tomar posse dos seus relacionamentos no início de sua carreira. Conhecida como a "namoradeira" dos famosos, por ter sempre seus namoros expostos aos olhares do público, a norte-americana resolveu driblar os julgamentos e escrever um dos seus álbuns de maior sucesso, o "1989".

Nele, com o segundo single, "Blank Space", Taylor se apropriou do discurso machista da mídia sobre sua imagem e construiu uma personagem satirizando as manchetes, que exploravam os seus relacionamentos. Ou seja, o jogo virou.

3. Ariana Grande

Em 2018, um dos nomes mais ouvidos certamente foi o de Ariana Grande. O noivado relâmpago e o término do mesmo, alguns meses depois, fez da cantora um alvo fácil para que a mídia criasse suas especulações acerca do seu relacionamento com Pete Davidson, mas mais do que isso, sobre sua personalidade.

Aproveitando a ocasião, a cantora, de 25 anos, compôs a faixa "thank u, next", em que, em vez de alfinetar seus ex-namorados, manda uma mensagem de gratidão para cada um deles. O vídeo da música se tornou o mais visto em menos de 24 horas no YouTube.

4. Anitta

Além de falar abertamente sobre seu corpo, a brasileira, assim que terminou o casamento com Thiago Magalhães, reafirmou seu discurso de dona de si mesma com o lançamento da música "Não perco meu tempo" - que muita gente não sabe ainda se é ou não uma indireta para o ex.

Na faixa, Anitta, assim como as outras cantoras dessa lista, embasa trechos da canção em discursos de autoestima e amor-próprio: "E se você terminar/Não perco, não perco meu tempo se me ligar/Se arrepende e quer voltar/Não perco, não perco meu tempo pra te escutar, ai! ".

5. Ludmilla

A carioca, de 23 anos, se surpreendeu com o sucesso da música "Din Din Din". O que inicialmente era só uma "indireta para o crush" nas redes sociais, se transformou em um dos seus maiores hits da carreira, sendo, inclusive, a mais popular em seu perfil no Spotify.

Enquanto canta o sucesso, Ludmilla coloca a imagem de mulher "poderosa" para cima e deixa de lado a construção machista de que a atitude precisa partir primeiro do homem.