menu
Topo

Carreira e finanças

Seu chefe é o cão? Veja estratégias para sobreviver ao estresse constante

iStock
Imagem: iStock

Simone Cunha e Veridiana Mercatelli

Colaboração para Universa

04/12/2018 04h00

Um chefe difícil pode desestabilizar a equipe. Nos Estados Unidos, a Associação de Psicologia detectou que 75% dos trabalhadores mencionam seus chefes como a maior causa de estresse no mundo corporativo.

“Quando um funcionário pede demissão, ele não está deixando a empresa, em geral, está deixando um líder ruim”, comenta Francis Garcia, coach de carreira.

Veja também

Ela afirma, no entanto, que é importante o funcionário perceber o porquê da falta de afinidade: se há diferenças nos estilos de trabalho ou se há divergências de princípios e valores. No segundo caso, pode ser mais complicado encontrar um meio-termo e o melhor mesmo é evitar entrar em assuntos polêmicos.

“Muitas vezes, o adjetivo difícil se refere à incongruência da pessoa com o chefe. Ele pode ser difícil para você, e não para toda a equipe”, diz o consultor de carreiras Alberto Roitman.

Por isso, antes de julgar o outro, o primeiro passo é fazer uma autoanálise honesta. É importante destacar que o chefe chato é diferente do assediador: ele não persegue e não humilha, mas, como líder, pode deixar a desejar.

Para a farmacêutica Lilian Justino*, 34 anos, a chefe passou a ser um estorvo. “Pensei em pedir demissão porque ela descontava todas as suas frustrações nos funcionários”, conta. Lilian diz que já saía para trabalhar desanimada e, como lida com o público, precisava manter a simpatia, o que era um tremendo desafio.

Até que um dia decidiu enfrentar o problema, mesmo correndo o risco de ser demitida: “Resolvi ter uma conversa franca com ela e, no fim das contas, ela acabou chorando e confessando uma situação pessoal ruim. Foi bom para esclarecer que o problema não era comigo. Às vezes, ela ainda tem algum chilique, mas agora consigo relevar e isso não me afeta mais”.

Para os especialistas, o diálogo pode ser uma maneira eficiente de dar um toque ao chefe de que ele está passando dos limites. O segredo é iniciar a conversa sempre em primeira pessoa. “Diga que você está se sentindo sobrecarregado e não que o chefe está exagerando”, fala a especialista em desenvolvimento humano Susanne Anjos Andrade.

Para ela, essa conversa precisa ser objetiva, assertiva e acolhedora. Ainda assim, pode ser que o líder não melhore na primeira vez. “O diálogo deve ser repetido até que o problema esteja realmente solucionado”, afirma Susanne.

Outra dica é iniciar a conversa abordando o trabalho, metas e resultados, demonstrando que está interessado em buscar um ajuste para ambas as partes.

“Em todas as situações em que o liderado não se sinta à vontade com o comportamento e atitudes do líder, cabe uma conversa para colocar os pontos que o incomodam e os porquês, deixando claro o que precisa mudar para que a área possa trabalhar em harmonia”, sugere Francis.

Facilite a sua vida

Em ocasiões em que o chefe não dá nem abertura para um bate-papo, o jeito é tentar não se deixar influenciar e se concentrar em seus objetivos profissionais. “Dificilmente, um chefe deixa de reconhecer aquele funcionário que entrega seus resultados de maneira consistente e clara, mesmo que ele seja um mau gestor”, fala Francis.

Também vale exercitar a empatia, pois, segundo os especialistas, o chefe difícil nem sempre tem intenção de prejudicar os demais. “A diferença gera atrito, por isso, procure encontrar pontos em comum que ajudarão a tornar a comunicação entre vocês mais fluida. Identificar afinidades pode gerar uma aproximação e minimizar incômodos”, afirma Francis.

É exatamente isso que a publicitária Beatriz Souza*, 26 anos, vem tentando fazer para aguentar a chatice de sua chefe. “Ela não é má pessoa, porém extremamente workaholic. Não respeita os horários, como o período do meu almoço, e só fala de trabalho”, reclama.

Beatriz conta que a equipe já abriu o jogo com a chefe, que a líder ouviu numa boa e prometeu mudar. Mas a promessa durou pouco tempo, e tudo voltou ao que era antes: “Todos os dias ela manda mensagem com as tarefas que precisam ser feitas. E depois repete a informação no Whatsapp e liga para falar as mesmas coisas. Isso faz a gente perder quase uma hora de trabalho”.

Nesse caso, Susanne insiste que vale tentar uma nova conversa. Mas não durante o expediente: “Chame-a para um café, para quebrar o clima corporativo, e diga que ela voltou a cometer os mesmos erros. Aqui, o desafio é ser acolhedora, apontar as qualidades e, depois, usar algo como: ‘mas você precisa melhorar nisso, pois dessa forma vai conseguir engajar mais a equipe’. Falar é ótimo, porém, é preciso saber colocar as palavras”.

Conte até dez

Reclamar do chefe com os colegas pode ser perigoso, pois não dá para saber se esses comentários serão utilizados em algum outro momento contra você. Então, o melhor é evitar a fofoca. “Desabafar ajuda, mas procure alguém de confiança, fora do ambiente profissional”, alerta Vitor Mattoso, especialista em liderança criativa e criador do aplicativo "Meu Chefe".

Também é bom evitar bater de frente. De nada adianta responder a uma provocação com outra: o clima pesa para todo mundo e o subordinado é quem tem mais chances de se dar mal.

Segundo Susanne, se for preciso fazer vista grossa e se impor, o ideal é fazê-lo em particular: “Aponte o que não agradou, usando sempre a estratégia de iniciar a conversa em primeira pessoa”.

Nas redes sociais, controle os ímpetos. “Um post inadequado pode render uma demissão por justa causa”, alerta Mattoso.

*Nomes trocados a pedido das entrevistadas