menu
Topo

Minha história

"Era chamada de pirigospel", diz evangélica, que trocou de igreja

Getty Images/iStockphoto
Bianca* trocou de igreja depois de ser criticada por um pastor Imagem: Getty Images/iStockphoto

Camila Brandalise

Da Universa

29/11/2018 04h00

A secretária Bianca*, de São Paulo, saiu da igreja evangélica que começou a frequentar quando criança depois que o pastor a recriminou pelas saias curtas e batons escuros que usava. “Ele disse que eu precisava tomar cuidado para não escandalizar os irmãos. Depois disso, nunca mais fui aos cultos”, diz.

Escandalizar, no caso, significava ser encarada por homens casados. “Mas ninguém falava para esses homens que eles deveriam parar de me encarar.” Uma tia de Bianca, que ainda frequenta a congregação, contou à sobrinha que haviam lhe dado um apelido. “Me chamavam de pirigospel por causa das roupas e das maquiagens que eu usava e por criticar a ideia, compartilhada pela maioria dos fiéis, de que mulher tem que ser submissa ao marido.” Lésbica, Bianca começou então a frequentar uma igreja criada para LGBTs. “Posso chegar com um salto de 20 centímetros e um batom preto que ninguém vai falar nada.”

Veja também:

“Minha família é toda evangélica e comecei a frequentar uma congregação de uma igreja evangélica aos três anos de idade. Aos 18, decidi não ir mais aos cultos porque um pastor criticou minhas roupas. Depois que saí, soube que me chamavam de pirigospel por causa do jeito que me vestia e pelas minhas críticas a alguns dogmas que eram pregados.

Usava saias curtas, dois dedos acima das peças das outras mulheres, e gostava de passar batom escuro. Eu me posicionava contra algumas ideias, como a de que a mulher deve ser submissa ao homem. Quando falava isso, me diziam que estava no lugar errado. Mas não era o que sentia. Sou temente a Deus, cristã, queria frequentar aquele espaço.

Um dia, antes de um culto, o pastor me chamou. Disse que precisava tomar cuidado para não escandalizar os irmãos com meus comportamentos, minhas vestes e maquiagens. Aquele dia usava um batom escuro, marrom-queimado. Fiquei sem reação. Era como se minha maquiagem definisse minha fé em Cristo. Decidi deixar de ir à Igreja. Minha tia continuou frequentando, foi ela que me contou que me chamavam de pirigospel. Esse termo é muito usado entre os evangélicos. Também ouvia: ‘Lá vai a piricrente’. 

Chorei muito quando soube. Me sentia mal por causa das coisas que falei e por ter minha espiritualidade colocada em xeque. Hoje, vejo de outro jeito. Fico triste por saber que há muitas pessoas frequentando a igreja e vivendo ensinamentos cristãos, professando uma fé em nome de Cristo, mas que não praticam o que ele ensina: amor ao próximo. Além disso, estava com uma saia curta e um homem casado me olhou, por que o pastor não foi falar com esse homem, que tem mulher, família?

Sou lésbica, mas não me assumi na antiga congregação. Depois que saí, soube de uma igreja criada para LGBTs em Osasco (na Grandes São Paulo), que é a que frequento desde então, há dois anos. Posso entrar lá com um salto 20 e um batom preto que ninguém fala nada. 

Na anterior, diziam que tínhamos duas escolhas. Ser uma mulher virtuosa ou uma que não sabe respeitar a dominância do marido. Havia essa pressão o tempo todo. Havia o modelo da virtuosa que não tenha opiniões, desejos e vontades. Que simplesmente siga regras e se cale. Não acredito nisso. Deus criou homem e mulher igualmente. Ele morreu por um gênero ou por outro? Não. Morreu por todas as pessoas."

*Nome trocado a pedido da entrevistada.