menu
Topo

Relacionamentos

Briga na Globo, entre os Gagliasso... expor sua opinião sempre vale a pena?

Reprodução/Instagram
Bruno Gagliasso e Thiago Gagliasso Imagem: Reprodução/Instagram

Lucas Vasconcellos

Colaboração para Universa

12/11/2018 04h00

Passada a eleição, muita gente se expôs defendendo, com unhas e dentes, seus ideais. E consequências vieram. Na semana passada, por exemplo, o colunista Ricardo Feltrin, do UOL, noticiou que há um racha (e boicote) entre o elenco artístico da Globo. O motivo é o posicionamento político de algumas figuras da emissora.

Mas após tudo isso, ainda vale a pena continuar expondo sua opinião em qualquer lugar e correr o risco de viver em ambientes desagradáveis? 

Veja também:

É sabido que o período eleitoral criou uma grande polarização no país. E o resultado disso tudo foi descobrir, entre tantas outras revelações, uma sociedade que não está a fim de aceitar a opinião do outro. De acordo com a Personal Coach e Coach Leader pela Sociedade Brasileira de Coaching, Silvia Donati, “em diversas situações, as pessoas têm essa necessidade de ter opinião sobre tudo, de impor sua verdade. É uma arrogância arraigada no ser humano. Hoje, vivemos num ego sistema, onde todo mundo quer provar que a própria escolha é a certa e melhor do que a do outro”, conta. 

Isso não impede que você dê sua opinião, claro. Ela é válida e justa, mas no momento em que você se posiciona sobre um tema, faça isso sem atacar e ofender outros. Afinal, para viver em sociedade, é preciso ter equilíbrio - e a violência é o oposto disso.

Conte carneirinhos

Para não correr o risco de se queimar por dizer o que acha, perceba em que ambiente você está. No caso da Globo, por exemplo, cabeças não rolaram, mas poderia ter acontecido. Independentemente disso, o estrago já está feito e o clima ruim inevitavelmente vai ser instaurado no ambiente de trabalho. Para falar, é preciso respeitar o outro (vide o drama da família Gagliasso, depois que Thiago, o irmão caçula de Bruno, resolveu dizer tudo o que acha no Instagram).

Na empresa em que você trabalha, verifique o posicionamento de maneira geral. Isso vai facilitar sua vida para não ter que, diariamente, estar num local inóspito. E o mesmo vale para a casa de um familiar -- se o espaço não é seu, respeite. Se as ideias da sua tia não batem com sua ideologia, apenas não vá aonde ela mora. “Quem quer fazer sua ideia valer em qualquer lugar corre o risco de ficar sozinho”. De acordo com Silvia, o que está piorando muito as relações é a vaidade. Não se fixe na ideia de que o seu é melhor do que o do outro. E quando se acredita nisso, não há mais respeito.

"Eu avisei"

Se você não ouviu, provavelmente já disse, ou pensou em dizer essas duas palavrinhas. Juntas, elas têm um poder incrível de suscitar a raiva no outro, justamente por ser fruto da necessidade que o ser humano tem de se mostrar certo. Contudo, antes de soltar um sonoro “eu avisei”, perceba se isso vai mudar algo. “A pessoa é bem resolvida deixa passar mesmo que queira dizer. Ela se esforça para ter empatia, para se colocar no lugar do outro.”

Expor sua opinião é como dirigir um carro na defensiva: quanto mais você se cuida, menos chance tem de ser atingido por outros, exemplifica a profissional.

A casa caiu?

Se seu dia a dia se tornou os bastidores da Globo ou o drama envolvendo os Gagliasso, nem tudo está perdido. Dá para contornar a situação, desde que, primeiro, você olhe para o que houve e entenda se isso foi um fato isolado. Feito isso, é hora da conversa.

Expor tudo com calma e, se necessário, pedir desculpas por um possível exagero. "Quando você tem inteligência emocional, sabe que não é preciso ser dono da verdade", alerta Silvia. 

Agora, outro ponto é perceber: a relação estremecida por conta de opiniões divergentes vale a pena? Às vezes, a pessoa que está no embate contigo não quer mais ter nenhum vínculo e se coloca intransigente justamente para dar um basta. Nessa hora, lembre-se de que não dá para agradar todo mundo, como também não são todos que nos agradam.