menu
Topo

Universa

Mãe com filho morto se torna símbolo do debate por controle de armas no EUA

Reprodução
"Eu quero controle de armas", pediu Susan Schmidt Imagem: Reprodução

Da Universa

10/11/2018 12h33

A mãe de uma vítima morta em um ataque na Califórnia, nesta última quarta (7), se tornou um símbolo no debate sobre armas de fogo nos Estados Unidos. A vida da mãe Susan Schmidt-Orfanos foi marcada por duas tragédias envolvendo tiroteios em massa e seu filho, agora morto.

No ano passado, Telemachus Orfanos, 27, sobreviveu a um tiroteio em Las Vegas. Na ocasião, o atirador Stephen Paddock, 64, atirou e matou 58 pessoas que estavam em uma festa. Os disparos foram feitos da janela de um hotel com vista para o evento. Mais de 800 pessoas ficaram feridas.

Telemachus foi um dos sobreviventes do ataque, considerado o episódio com maior número de vítimas por arma de fogo no País. Desta vez, o rapaz ficou entre as 11 pessoas assassinadas por um atirador que entrou em um bar em Thousand Oaks, zona norte da cidade de Califórnia.

Veja também

“Meu filho estava em Las Vegas com um monte de amigos e voltou para casa. Nesta última noite, ele não retornou”, disse Susan em entrevista à emissora ABC News. “Eu não quero orações. Não quero condolências. Eu quero controle de armas”, pediu.

O pedido e a história de  vida da mãe foram reproduzidos por milhares de vezes nas redes sociais, como o Twitter. A fala aqueceu ainda mais o debate sobre controle de armas de fogo no país. Na última semana, um homem antissemita invadiu e abriu fogo em uma sinagoga, deixando 11 mortos.

O suspeito pelo ataque é um fuzileiro naval chamado Ian David, de 28 anos. Segundo a polícia, a suspeita é que ele tenha estresse pós-traumática. A síndrome é comum entre ex-membros das Forças Armadas dos Estados Unidos.

Mais Universa