menu
Topo

Política

Justiça intima Eduardo Bolsonaro a explicar suposta ameaça a jornalista

Reprodução/Instagram
Eduardo Bolsonaro e Patrícia Lélis, na época em que teriam namorado Imagem: Reprodução/Instagram

Luiza Souto

Da Universa

01/11/2018 04h00

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (SP-PSL) recebeu no dia 30 de outubro um mandado de intimação para se manifestar sobre a acusação de ameaça contra Patrícia Lélis. A jornalista, de 24 anos, afirma que namorou o filho do presidente eleito Jair, por três anos e oito meses. Na época do relacionamento, terminado, segundo ela, no meio de 2016, Patrícia era assessora e líder do núcleo jovem do PSC, antigo partido da família Bolsonaro (hoje, eles são do PSL). Patrícia diz que o namoro foi conturbado.

Em julho de 2017, Eduardo e Patrícia brigaram por meio de mensagens de celuar. Em uma delas, o político teria ameaçado a jornalista. A troca de mensagens pode ser vista no site do Ministério Público Federal.

Em abril deste ano, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou o deputado por ameaça. A procuradora pediu ao STF a condenação de Bolsonaro, além do pagamento de R$ 50 mil reais de indenização. No início de outubro, o relator do caso, ministro Luís Roberto Barroso, enviou uma notificação para que Bolsonaro responda se aceita uma transação penal, um benefício proposto pela PGR pelo qual ele se compromete a pagar 25% do seu salário de deputado, cerca de R$ 10 mil, a uma instituição de caridade, além de prestar serviços comunitários por 120 horas. Eduardo tem 15 dias corridos para responder.

O advogado do deputado, Alexandre Dumaes, afirmou à Universa que seu cliente deverá se apresentar ao Ministério Público Federal nos próximos dias (eles têm 15), informando que não aceitará a proposta de transação penal. A alegação de Dumaes é que a acusação se trata de “notícia falsa”. Segundo a defesa, as mensagens são uma montagem.

"Temos provas concretas de que o fato não ocorreu e esperamos a instrução criminal para provar que o que ela está falando é uma mentira. São mensagens que qualquer um pode montar. Na verdade, ela (Patrícia) está praticando crime de denunciação caluniosa", diz Dumaes.

O advogado afirma ainda que "dependendo da nossa estratégia", pedirá uma perícia em ambos os celulares. Segundo ele, não houve exame nos telefones que comprovem a veracidade das mensagens. Em nota, a PGR confirma que os telefones não passaram por perícia. "Mas nada impede que eles possam ser periciados no decorrer da instrução processual", informa o órgão.

Veja também

Na denúncia analisada por Raquel Dodge, entretanto, consta a informação de que o número de onde partiram as mensagens era de fato do deputado desde 2013. Dodge destaca ainda que o denunciado teve a preocupação em não deixar rastro das ameaças alterando a configuração do aplicativo Telegram para que as mensagens fossem destruídas após cinco segundos depois de enviadas. Patrícia filmou a conversa antes que ela sumisse e registrou um boletim de ocorrência para relatar a ameaça.

Além de negar a veracidade das mensagens, Eduardo Bolsonaro informa, por meio de seu advogado, que: "Nunca namorou Patrícia".

A reportagem entrou em contato com a assessoria do deputado Marco Feliciano, que negou as acusações de Patrícia contra ele e disse ainda que: "o deputado nunca teve envolvimento com ela".

Universa entrevistou Patrícia Lélis antes do segundo turno das eleições, no dia 22 de outubro.

Você tem medo de Eduardo Bolsonaro? 
Claro que tenho medo! O Eduardo foi criado na base do espancamento. Ele falava que apanhava do pai. E que nunca quis entrar na política, que queria ser delegado. O pai dele que o obrigou. Por isso ele não tem um discurso, só reproduz o comportamento do pai. Acho que ele é capaz de muitas coisas.

Como o quê?
Ele é capaz de matar, de agredir. Não duvido que faça.

Por que diz que ele “é capaz de matar”?
Antes da história do Feliciano ir para mídia, ele me disse que se eu falasse para as pessoas sobre o caso, ou que ele tinha me mandado ficar calada sobre o assunto, ele mesmo iria dar aval para um assessor me matar. Esse termo “matar” é muito comum no meio deles. Inclusive, já ouvi diversas vezes o Jair e o Eduardo afirmando que o erro da ditadura foi apenas torturar a Dilma e não matar.

Reprodução
Patrícia Lélis afirma ter sofrido ameaças Imagem: Reprodução

Como foi o namoro de vocês?
Namoramos por três anos e oito meses. Não éramos apaixonados. Eu e Eduardo nunca nos demos muito bem, porque ele acha que tem razão em tudo e, ao mesmo tempo, eu não sou um anjo. Brigávamos por divergências no partido. E ele tem esse jeito machista, gosta de ter sempre as regras dele. Se ia para algum evento, gostava que eu vestisse roupa comportada e nada de batom escuro.

O que mais você não gostava nele?
Eduardo é terrível, chama as mulheres de gostosas, pega na bunda das pessoas. Às vezes vinham me falar: “teu namorado acabou de pegar na minha bunda, fala com ele”. Ele negava e eu achava esse tipo de comportamento normal. Vivia uma relação baseada no medo do que ele poderia fazer.

Essas pessoas também o denunciaram?
Não. Elas não têm coragem, e eles (a família Bolsonaro) oferecem dinheiro para ficarem quietas. Eduardo, inclusive. É um dinheiro que faria falta para elas, mas minha família pode bancar um processo. Não posso provar porque elas não querem falar.

Num dos trechos das conversas pelo celular entre vocês dois, ele escreve que você tinha que ter apanhado mais. O Eduardo te agredia?
Nunca me agrediu nem xingou. Escreveu isso porque me viu machucada depois da agressão que sofri do Feliciano (ela acusa o deputado federal pastor Marco Feliciano de ter tentado estuprá-la, de assédio sexual e agressão. Os fatos teriam acontecido em junho de 2016. A denúncia também está no STF, mas corre sob segredo de justiça).

Qual foi o momento em que ele se tornou violento?
Nós ainda estávamos namorando, quando eu apareci machucada, depois de ser agredida pelo Feliciano. Eu pedi ajuda a ele e ao Jair, mas me mandaram ficar calada porque (a denúncia contra Feliciano) ia prejudicar o partido e a carreira dele. A gente discutiu muito e, depois desse dia, não nos falamos mais e o namoro acabou. Cerca de um ano depois (em julho de 2017), o Eduardo postou no Facebook uma mensagem falando de uma ex-namorada dele ("é vista em uma balada LGBT acompanhada de médico cubano, usando uma roupa vulgar e como se não bastasse rebolando até o chão). Respondi (ela escreveu, entre outras coisas: "vê se para de me ligar e mandar mensagem dizendo que tá com saudades") e as ameaças começaram. 

O deputado Eduardo Bolsonaro diz que vocês nunca namoraram e que as mensagens são uma montagem. Você reafirma sua versão dos fatos?
Sim. O que passei com ele eu falei. Não omiti nem menti em nada. Também não fiz montagem das mensagens. Quando fiz a denúncia, deixei o celular na polícia para fazer a perícia.

Reprodução
Reprodução da conversa por mensagem de texto entre Eduardo Bolsonaro e Patrícia Lélis Imagem: Reprodução

Por que você se candidatou à deputada federal por São Paulo este ano (ela perdeu a eleição)?
Eu sempre quis entrar na política. Mas foi uma campanha confusa, principalmente porque recebi ameaças, por mensagens, de pessoas pedindo para eu não usar o nome do Eduardo nem do Feliciano. Escreviam coisas do tipo “sossega, não fala nada porque a gente sabe onde você mora”. Não denunciei porque ou fazia campanha ou passava o tempo na delegacia. Realmente tive medo de falar alguma coisa e o Eduardo fazer algo. Tive diversos problemas, como material de campanha roubado, por exemplo. Fiquei um ano afastada da política. Mas tudo que eles querem é que eu desapareça. Não vou dar esse gostinho.

Você se candidatou para aproveitar o momento?
Não. É que ele nunca me apoiava. Deixei de fazer coisas por causa desse comportamento machista dele. Agora estou indo para Washington, nos Estados Unidos. Estou noiva de um americano e vou fazer uma pós-graduação em ciências públicas. Em um ano voltarei para preparar minha nova campanha. Quero concorrer para vereadora de São Paulo.

Na época do namoro com Eduardo Bolsonaro, você escreveu que "feminista não era coisa de Deus". Hoje, se diz feminista. O que mudou?
Antigamente, não tinha vida própria. Se tivesse continuado nesse ritmo estaria casada, recebendo ordens de algum homem. Há quatro anos, se falassem que ele (Eduardo) era machista, eu o defenderia. Hoje, vejo muitas meninas votando nele porque o acham o macho alfa. (Terminar o namoro) foi a melhor coisa que me aconteceu. Ao mesmo tempo que tentaram me destruir, me deram força. Agora, vejo que estou no lado certo da luta, defendendo mulheres, mostrando que não tenho que aceitar abuso.

Você tem medo de sofrer retaliações por causa dessas declarações?
Eu sempre corro perigo, principalmente por conta das pessoas que o seguem, dos amigos dele. Hoje em dia é mais difícil eles me fazerem algo diretamente, porque sabem que a Polícia Federal está de olho. Ainda assim de pessoas ligadas a ele eu realmente tenho muito medo! Cansei de escutar ameaças.

Outro lado

Sobre a acusação de que Eduardo é capaz de matar, a defesa do deputado disse que vai responder "num ambiente próprio, e é dentro do processo". "Essas acusações constituem um volume de mentiras que ela já praticou contra outras pessoas".

A defesa refere-se ao fato de Patrícia Lélis ser investigada por falsa acusação de ameaça, coação e cárcere privado contra um chefe de gabinete do deputado Marco Feliciano, em agosto de 2016. Na época, ela afirmou à polícia de São Paulo que foi ameaçada e obrigada a gravar um vídeo para inocentar o deputado da denúncia de tentativa de estupro. A gravação foi feita e divulgada por ela em uma rede social. Para a polícia, vídeos comprovariam que Patrícia circulou pela cidade nos dias que antecederam a denúncia, e que teria se encontrado com o homem num hotel, num clima cordial entre ambos. Ela reafirma a ameaça.

Neste inquérito, a polícia de São Paulo anexou ainda um laudo apontando que a jornalista “a todo momento falta com a verdade”. O documento foi elaborado por duas psicólogas do Instituto Médico Legal em Brasília, em 2015, a pedido da delegacia que apurou outra denúncia de estupro que Patrícia teria sofrido aos 17 anos. Patrícia diz que nunca se consultou com as profissionais que emitiram o laudo e que entrou com processo judicial contra elas. "Esse laudo apareceu na delegacia, nas horas que eu estava lá".