menu
Topo

Transforma

Mulheres protagonizam um mundo em evolução


Luísa Sonza quer "mostrar diferenças" e diz que feminismo mudou sua vida

Bruno Pereira
Luísa Sonza durante as gravações do clipe "Boa Menina" Imagem: Bruno Pereira

Mariana Gonzalez

Da Universa

18/10/2018 15h41

Aos 20 anos, Luísa Sonza já fez sucesso com os hits "Devagarinho" e "Olhos Castanhos", emplacou uma música na próxima novela das 9, "O Sétimo Guardião", e agora estreia atrás das câmeras de seu próprio clipe ao lado do diretor geral Jacques Dequeker.

No dia 30, a cantora lança "Boa Menina", primeira música em que, segundo ela, fez tudo exatamente como queria -- da escolha dos modelos ao figurino e ao cenário.

Veja também

"As roupas que eu uso, a forma como olho a câmera, o jeito que sorrio, tudo ali é 100% eu. Não procurei criar personagens ou histórias; fui eu mesma em cada detalhe", disse, em entrevista à Universa

Com "Boa Menina", Luísa quer transmitir mensagens importantes sobre feminismo, liberdade e amor – "temas que precisam ser debatidos e refletidos pela sociedade", acredita. 

Bruno Pereira
Imagem: Bruno Pereira

Mas, além do discurso, o clipe chama atenção pela representatividade negra e asiática entre os dançarinos, seguindo os passos de outras cantoras como Anitta, que tem um elenco de bailarinas gordas

"Precisamos mostrar cada vez mais nossas diferenças, reforçá-las. É maravilhoso sermos do jeito que somos. Fico feliz por promover debates sobre representatividade com o meu trabalho", comemora. 

Autoestima fortalecida

Luísa, que há um ano mal saía com as pernas de fora, enfrentou um longo processo de reconquista de sua autoestima e fala constantemente sobre o assunto nas redes sociais. 

"O ponto de virada foi perceber que as opiniões que eu tinha [sobre meu corpo] não eram minhas, mas dos outros. O feminismo teve um papel muito importante nessa reflexão, me mostrou outras perspectivas", disse.

Mais Transforma