menu
Topo

Carreira e finanças

10 países onde há trabalho para brasileiros

Léo Marques

Colaboração para Universa

13/10/2018 04h00

A busca de muitos brasileiros por um emprego fora do Brasil não é novidade. Porém, esse desejo intensificou-se nos últimos anos, sobretudo por causa da crise econômica e do atual cenário político do país. Por isso, não perca tempo e veja 10 países para tentar a sorte!

Estados Unidos

Jewel Samad/AFP
Imagem: Jewel Samad/AFP

Segundo o Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty), 1,4 milhão de brasileiros vivem nesse país, que está em primeiro lugar na lista dos que pretendem construir uma carreira fora ou ter estabilidade financeira. Em média, os brasileiros ganham por lá 7,2 vezes mais do que aqui, mesmo quem não tem nenhuma graduação. Estima-se que dos 95% empregados, somente 30% concluíram uma faculdade. Os que abrem seu próprio negócio chegam a 25%.

Veja também

Canadá

Getty Images
Imagem: Getty Images

Em 2016, dados do governo canadense revelaram que 92,4 mil brasileiros entraram com pedidos de autorização para morar no país, e quase 90% das solicitações foram aprovadas. Porém, as melhores ofertas de emprego são disputadas por profissionais altamente qualificados e que dominam inglês ou francês -- as línguas oficiais. Já para a maioria, a saída mais comum é pedir um visto de estudante para depois tentar um emprego e pedir residência. 

Alemanha

Marcel Vincenti/UOL
Imagem: Marcel Vincenti/UOL

Na mesma situação que o Canadá, a Alemanha carece de mão-de-obra qualificada. Até dezembro de 2017 estimava-se que havia mais de 750 mil vagas disponíveis, em setores específicos, para imigrantes. Faltam, principalmente fora dos grandes centros urbanos, médicos, enfermeiros, engenheiros, técnicos em tecnologia da informação, soldadores e técnicos em mecatrônica. Confira oportunidades no site www.make-it-in-germany.pt .

Austrália

De acordo com uma lista divulgada este ano pelo Departamento de Imigração do Governo Australiano (DIBP), o país tem 176 profissões em demanda para imigrantes até 2019. Fora que serviços em restaurantes, hotéis, limpeza e construção civil não faltam. Em geral é nessas áreas que brasileiros trabalham e recebem de 20 a 35 dólares australianos (em torno de R$ 50 e R$ 90 reais) por hora. O principal meio de entrada no país são os intercâmbios estudantis. 

Nova Zelândia

Julian Apse/Tourism New Zealand
Imagem: Julian Apse/Tourism New Zealand

Outro país da Oceania que oferece emprego para brasileiros é a Nova Zelândia. No entanto, para se sair bem, buscar uma qualificação ou um trabalho voluntário local é um diferencial. A oferta de bolsas de estudo e incentivos governamentais também é grande e há a possibilidade de o estudante trabalhar por até 20 horas semanais para arcar com suas despesas no país. Informações sobre bolsas e vistos estão no site www.immigration.govt.nz/new-zealand-visas .

Irlanda

Reprodução/Condê Nast Traveler
Imagem: Reprodução/Condê Nast Traveler

Interessados em trabalhar legalmente nesse país precisam ter: cidadania europeia, ou visto de estudo combinado com uma permissão de trabalho, ou um cargo em uma empresa irlandesa. Estudantes de inglês encontram facilmente serviço em bares, restaurantes e hotéis e recebem salários suficientes para se manter e viajar pela Europa. Os mais experientes têm mais chances em companhias como Facebook, Google e Apple, que ofertam centenas de vagas. 

Japão

EPA
Imagem: EPA

Mesmo os salários não sendo tão altos como eram nas décadas de 1980 e 1990, muita gente ainda procura o Japão para trabalhar. Os últimos dados, de 2016, revelam que os consulados japoneses no Brasil concederam mais de 11 mil vistos para cônjuges, descendentes e dependentes exercerem atividades remuneradas no país. A maioria das vagas está nas fábricas de autopeças e eletrônicos, mas com as Olimpíadas de Tóquio, em 2020, novas devem surgir. 

Paraguai

EITAN ABRAMOVICH / AFP
Imagem: EITAN ABRAMOVICH / AFP

Pouca competição, custos baixos e isenção de impostos têm atraído empreendedores brasileiros para esse país vizinho. Segundo dados do governo local, sete em cada dez indústrias do Paraguai são de brasileiros que se mudaram para lá nos últimos cinco anos. E mesmo quem arranja emprego por lá como operário vê vantagem, pois o salário mínimo equivale a R$ 1.200, ou seja, mais alto do que o do Brasil e os impostos e encargos trabalhistas são menores. 

Portugal

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Para brasileiros dos setores de construção civil, desenvolvimento web, mercado imobiliário e empreendimento turístico, esse país europeu pode oferecer boas oportunidades. Segundo o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), de Portugal, no que diz respeito aos empregos em turismo, a maioria dos contratantes exige apenas do candidato o equivalente ao ensino fundamental no Brasil. Porém, vagas para profissionais de nível superior são escassas.

Suécia

Getty Images
Imagem: Getty Images

Até 2025 o país precisa encontrar mais de 124 mil trabalhadores, segundo dados da Associação Sueca de Autoridades Locais e Regionais (ASALR). Só no ano passado foram disponibilizadas quase 80 mil vagas de emprego, o total mais alto desde os anos 2000. Entre os motivos, 12 de 15 setores locais carecem de trabalhadores qualificados e a população está envelhecendo. As áreas que mais contratam são: construção, educação, informática e saúde. 

Fontes: Sites Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty); Consulado Geral do Canadá em São Paulo; Serviço Internacional de Empregos da Agência Federal de Trabalho na Alemanha; Departamento de Imigração do Governo Australiano (DIBP); Ministério das Relações Exteriores da Nova Zelândia; Associação Brasileira das Agências de Intercâmbio (Belta); Consulado Geral do Japão em São Paulo; Ministério da Indústria e Comércio (MIC), do Paraguai; Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), de Portugal; e Associação Sueca de Autoridades Locais e Regionais (ASALR).

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!