menu
Topo

Sexo

Sexo anal: posso usar supositório ou fazer lavagem antes de transar?

Getty Images
Imagem: Getty Images

Léo Marques

Colaboração para Universa

09/10/2018 04h00

Quem pratica sexo anal sabe que inconvenientes podem acontecer, como, por exemplo, se sujar ou sujar o parceiro durante o ato. A boa notícia é que tem como não passar por esse tipo de situação. Com uma boa limpeza do ânus e do final do intestino grosso (método popularmente batizado pela comunidade LGBT de “chuca”), o problema pode ser evitado, mas os médicos alertam que cuidados devem ser tomados.

Veja também

Limpe, mas sem se colocar em perigo

Camila Cannato, médica cirurgiã do aparelho digestivo pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp), explica que a limpeza intestinal pode ser realizada em casa, mas não é necessariamente obrigatória, pois se a pessoa for ao banheiro e evacuar bastante e de forma espontânea antes do sexo, o risco de haver sujeira durante a penetração é quase nulo. Já limpar o ânus é fundamental em qualquer situação, com ou sem sexo, informa. Para isso, água e sabão são suficientes, mas só na área externa.

Quanto à introdução de água pura no ânus, para lavar a parte interna final do intestino, Camila esclarece: “A lavagem com água em si não é prejudicial. O receio maior está no risco de se introduzir um chuveirinho ou outro instrumento que possa machucar o reto”. Caso isso aconteça, complementa a médica, pode haver sangramento, dor ou, em casos mais graves, até perfuração do intestino, sendo necessária uma intervenção cirúrgica.

Usar solução medicamentosa é mais seguro 

Conhecido como enema ou clister de fosfato de sódio, explica a cirurgiã Camila, esse tipo de supositório é próprio para limpeza intestinal e contém uma substância que estimula a evacuação até mesmo de fezes presas e bastante endurecidas: “Introduzido pelo ânus, desencadeia, após alguns minutos, a liberação das fezes localizadas na ampola retal”.

Quanto à maneira de se auto-introduzir o produto, que pode ter o formato de um frasco padrão ou de uma bolinha, a médica sugere o seguinte passo a passo:

  1. Antes de introduzir a ponta do enema, lave bem as mãos, para não haver contaminação da região íntima
  2. Flexione os joelhos e agache como se fosse sentar no chão. Essa posição, de cócoras, permite que a pessoa realize melhor a prensa abdominal, que nada mais é que a força de evacuar, e também a introdução do enema para limpeza.
  3. Em seguida, retire a tampa do produto e lubrifique o ânus com um gel próprio, à base de água.
  4. Suavemente, insira o enema no ânus, como se a ponta fosse em direção ao umbigo, e esprema o frasco para introduzir a substância no canal.
  5. Remova a ponta e aguarde entre 2 a 5 minutos até sentir muita vontade de evacuar.

Em geral, o efeito desse tipo de produto tem duração de até 24 horas no organismo, por isso deve ser usado antes do sexo, já para estimular a evacuação e não gerar problemas durante a relação. Porém, é possível controlar a dosagem de aplicação da substância para que o efeito seja menos prolongado. Além disso, não é necessário esvaziar completamente o frasco, uma vez que ele contém quantidade de líquido superior à necessária para uso eficaz.

A médica Camila Cannato também aconselha não usar esse medicamento com frequência. “Pode provocar muito desconforto se o uso for recorrente”.

E mesmo quem introduz o chuveirinho para lavar o reto deve se preocupar, pois, além dos riscos já citados anteriormente, relacionados a lesões, há outros problemas: “Em teoria, a lavagem com água não afeta a flora intestinal, porque se concentra em uma parte muito pequena do intestino grosso. Porém, o uso frequente desse método pode ocasionar inflamações chamadas retites, que irritam o local e causam desconfortos”, adverte Camila.

Laxantes podem agravar ainda mais

Não pense que os laxantes também resolvem o problema, porque não é bem assim. “Além de fazerem efeito em torno de quatro a seis horas após o uso, portanto mais demorados quando comparados aos enemas de fosfato de sódio, os laxantes só vão atrapalhar o sexo anal. Também causam cólicas, flatulência, diarreia, mas tudo depende de quanto tomar”, adverte a cirurgiã do aparelho digestivo.

Por isso, segundo a opinião da especialista, o melhor é beber bastante água ao longo do dia (o líquido melhora o trânsito intestinal), manter uma dieta saudável, rica em fibras, e evitar alimentos que contribuam para prisão de ventre, diarreia ou outros problemas gastrointestinais.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!