menu
Topo

Universa

Repórter do UOL tem celular invadido após matéria sobre Bolsonaro

Da Universa

21/09/2018 18h16

Uma repórter do UOL teve o celular invadido após a publicação da reportagem “Entrei no grupo ‘Mulheres com Bolsonaro’ e fui expulsa em dois minutos”, publicada na quarta-feira (19). A jornalista Talyta Vespa, que assina a matéria, teve a conta de WhatsApp invadida e todas as conversas, fotos, vídeos e contatos apagados por um invasor ainda não identificado. O UOL repudia os ataques considerados como uma ameaça à liberdade de imprensa por entidades que representam jornalistas.

A matéria publicada por Universa, editorial dedicado a conteúdo feminino do UOL, tinha o objetivo de informar a motivação de mulheres que declaram voto no candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL). Após a matéria ir ao ar, o invasor apagou os dados pessoais e escreveu “bolsonaro” no perfil da jornalista no comunicador. A invasão aconteceu por volta das 11h30 da manhã. Além de contatos privados, a repórter perdeu conversas de cunho profissional. Não é claro se o invasor teve acesso integral a dados pessoais, senhas ou a contas mantidas pela jornalista em aplicativos e redes sociais.

Reprodução
Captura da imagem onde lê-se a mensagem "bolsonaro" Imagem: Reprodução

Desde 2012, o Código Penal prevê como crime a invasão de dispositivo informático “alheio, conectado ou não à rede de computadores, mediante violação indevida de mecanismo de segurança e com o fim de obter, adulterar ou destruir dados ou informações expressa ou tácita do titular do dispositivo”. A pena é de 3 meses a 1 ano de prisão e multa. Foi registrado um boletim de ocorrência para apurar o caso.

A equipe do WhatsApp não soube esclarecer como pode ter acontecido a invasão. A empresa também não afirmou se há vulnerabilidades no mensageiro. Em nota, o WhatsApp informou que se “preocupa profundamente com a segurança e privacidade de nossos usuários. Se as pessoas tiverem alguma preocupação com a conta, podem entrar em contato com nossa equipe de suporte ao cliente diretamente no WhatsApp, em ‘Configurações’.”

Entidades em defesa do jornalismo repudiam invasão

Em nota, a Federação Nacional dos Jornalistas repudiou o episódio. “É o primeiro caso que a Federação tem conhecimento de invasão de WhatsApp e de conta privada de um jornalista. Para a federação, toda e qualquer forma de agressão ou tentativa de intimidação ao exercício profissional do jornalismo é um atentado à liberdade de imprensa. Por ser a primeira invasão do tipo a nos ser informada, reforçamos a necessidade de investigação das autoridades e colaboração do serviço de mensagens para que sirva de precedente para possíveis novos casos”, diz.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Paulo condenou o caso. “A sociedade não pode tolerar que jornalistas sejam perseguidos pela realização de reportagens de interesse público. Naturalmente, a crítica ao trabalho jornalístico é livre e faz parte da democracia. Mas a invasão de perfis em rede social e outras agressões do tipo são crimes e devem ser investigados e punidos. Damos nosso apoio à repórter e nos colocamos, como Sindicato, à sua disposição para tomar todas as medidas cabíveis”, declarou em nota.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Universa