menu
Topo

Mães e filhos

Você odeia fazer lição com seus filhos? Estas estratégias podem ajudar

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Letícia Rós e Marina Oliveira

Colaboração para Universa

17/09/2018 04h00

Se fazer lição de casa pode ser cansativo para o estudante, imagina como é para os pais. Não raramente, pais e mães ficam exaustos (e aborrecidos) de acompanhar as tarefas de casa dos filhos.

Porém, de acordo os especialistas ouvidos pela Universa, o tema fica mais leve quando os responsáveis entendem que o papel deles na vida escolar da criança é estimular, não lecionar. Veja algumas sugestões de como fazer isso.

Veja também

Incentive a autonomia desde cedo

De acordo com o coordenador pedagógico do Colégio Agostiniano São José (SP), André Condes, no início da vida escolar, estar junto com o filho nos deveres de casa é de extrema importância. “É para orientar o primeiro traçado, incentivar e elogiar o sucesso de uma pequena pintura, por exemplo. Eles aprendem através da inspiração, na tentativa, erro e acerto”, fala. Já ao longo da primeira fase do ensino fundamental, a criança deve iniciar os estudos sozinha, aos poucos, em uma disciplina por vez. “Os pais podem limitar-se a realizar perguntas a respeito do conteúdo já estudado”, diz Condes. Na segunda fase do ensino fundamental é esperado que o jovem tenha autonomia no estudo. “Os pais que não realizaram as etapas anteriores sofrem mais nesta fase, porque os conteúdos já se complicam e tentar acompanhar gera muito estresse e cansaço. Imagina chegar cansado do trabalho e começar a estudar com o filho, às 21h, sobre Grécia Antiga?”, explica o coordenador pedagógico.

Não queira ensinar

“Nem corrigir”, diz a diretora do Colégio Oshiman (SP), Mayumi Madueño. “Esse é o trabalho dos professores”, fala. O ideal é apenas apontar um caminho para a criança, com alguns questionamentos, mas deixar que o professor avalie a evolução dela. Por exemplo: em vez de falar que tal palavra está escrita errada, você pergunta se ele conferiu no dicionário antes de escrever.

Tentar explicar do seu jeito pode confudir a cabeça de quem já está acostumado com outra didática. A vendedora Juliana Gomes Colpi, 33, tem uma dica para esses momentos com a filha de oito anos. “Eu peço para ela explicar para mim o que entendeu, porque aí ela se obriga a ver aquilo de outra forma e facilita perceber o erro”, fala. Se ainda assim o erro persistir, sugira que ela anote para tirar dúvida em sala de aula.

Perceba se ele está acomodado

Há crianças que fazem corpo mole, porque sabem que terão o aconchego dos pais em casa na hora da realização das tarefas e estudos. É o caso da filha da professora Viviane Fichmann, 43, que está com dez anos. “Ela traz lição de classe para fazer em casa, alegando que não deu tempo de fazer. Mas eu descobri, com a coordenação, que há tempo, sim, mas ela escolhe não fazer porque sente prazer em estudar comigo”, conta. “Só que estudar todo dia é cansativo para mim, porque trabalho o dia todo”, explica. De acordo com os especialistas, a criança deve entender que ela é a estudante e esse é o compromisso dela, não dos pais. “O acompanhamento aqui será necessário para perceber se, de fato, é comodismo ou a criança precisa de ajuda para aprender”, fala Condes.

Cuidado com o que você diz

Dizer “tarefa é uma coisa chata”, “nossa, a escola manda muita lição de casa” ou “termina logo isso, para podermos fazer algo divertido juntos” só vai colaborar para a criança entender que lição é mesmo algo ruim. Em vez disso, fale que estudar em casa é uma forma de gravar o conteúdo aprendido na sala de aula. E, apesar de não ser prazeroso como uma brincadeira, é uma forma de mostrar comprometimento com a obrigação dele, o estudo.

Crie uma rotina minimamente prazerosa

Horário de tarefa deve ser horário de tarefa, ainda que este tempo seja de 15 a 30 minutos. Fazer a lição cada dia em um horário diferente interfere na criação do hábito de estudar. Escolha um local iluminado, com fácil acesso aos materiais que serão usados para realizar a tarefa. Para algumas crianças, música pode ser distrativo, para outras, ajuda a concentrar. Descubra o estilo do seu filho. No início, para tornar o momento mais agradável, você pode preparar um lanche para o intervalo entre uma atividade e outra.

Estimule a criança a entender o que ajuda a estudar

“Tem criança, por exemplo, que gosta de estudar lendo em voz alta, outras que fingem ser professor, usam uma lousa imaginária e estudam dando aula para as bonecas”, fala André Condes. Com acesso à internet, ela também pode querer buscar vídeos que falem sobre o tema que ela está aprendendo. “Eu digo que só não estuda quem não quer, porque tem o mundo em um clique a ser explorado para aprender mais”, acrescenta a orientadora pedagógica do Colégio Stocco, em Santo André, Lucienne Baroni.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!