menu
Topo

Universa

Suicídio: o que fazer quando alguém que você ama fala em se matar

false
Quanto mais se fala em suicídio, menos gente morre. Ligue 188

Carolina Prado e Letícia Rós

Colaboração para Universa

07/09/2018 04h00

Marta, 28, que prefere omitir nome real, já ouviu do marido, várias vezes, que a morte seria a melhor solução para o seu total desinteresse pela vida. Desde que começaram a namorar, há dez anos, ele já tomava antidepressivos. "Eu acreditava que ele melhoraria e, aos poucos, se libertaria daquela tristeza profunda. Não fazia ideia da dimensão do problema".

Eles se casaram e tiveram duas filhas e, com o passar do tempo, as coisas pioraram. "Junto com a tristeza, veio a falta de interesse e prazer pela vida --apesar de ter tudo no que diz respeito a bens materiais, saúde física, amor da família e amigos". O marido, ela conta, começou a ter medo de tudo e uma preocupação excessiva com o futuro. "Apareceu o pânico, que está impedindo ele e quem convive com ele de fazer coisas simples do dia a dia, como pegar o carro e ir passear, porque ele pode ter uma crise em um elevador, no trânsito engarrafado..." 

Segundo Marta, o pior, porém, são os momentos de crise, quando o parceiro fala em suicídio. "Diz que não aguenta mais, que não vai dar conta, que tem medo do que pode acontecer e que, se não fossem as filhas, já teria se suicidado há muito tempo".

Marta diz que já não sabe mais o que fazer: "Eu me sinto de mãos atadas. Tudo o que eu sugiro ele não aceita, diz que não entendo nada do que ele está passando. Isso afeta toda a família. O amor dele por nós é incondicional, óbvio, e estar depressivo, de certa forma, faz com que ele se sinta culpado. Mas o que eu sinto é que está muito além das forças dele conseguir as mudanças reais que precisa para sair desse quadro.”

Veja também

Casos como o de Marta não são raros. Não param de subir os índices de suicídio no Brasil, que já respondem por 30 mortes ao dia no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. Nem todo suicida verbaliza a vontade de se matar, mas, quando isso acontece, algumas medidas devem ser tomadas.

Não menospreze ou ignore um pensamento ou comportamento suicida

De acordo com a neuropsicóloga clínica Carla Bianca Salcedo, terapeuta do luto, é um erro se deixar levar pelo senso comum e acreditar que quem avisa antes não tem coragem de executar a ação. “Todo ato suicida é construído, é elaborado por semanas, meses e até anos. Quando esse tipo de pensamento se combina com uma intensa angústia emocional é que culmina na tentativa efetiva de tirar a própria vida”, explica. Ao verbalizar o pensamento suicida, a pessoa pode estar estendendo aos seus familiares e amigos um último pedido de ajuda. “Parece contraditório, mas, ao se posicionar sobre o suicídio, ele está abrindo o diálogo, está fazendo um apelo à vida”, diz Salcedo.

Busque aconselhamento

Ao escutar de uma pessoa próxima qualquer comentário sobre a intenção de se suicidar, procure ajuda especializada. “A família deve procurar aconselhamento sobre como intervir, com um profissional, como um psicólogo. O próprio CVV (Centro de Valorização da Vida) pode ajudar e dar um suporte nesse momento”, diz a psicóloga Karen Scavacini, fundadora do Instituto Vita  Alere, de Prevenção e Posvenção do Suicídio.

Coloque-se se à disposição para ouvir quem está sofrendo

É preciso estar disposto a acolher a dor do outro, sem julgamentos. “É isso o que ele espera. A opressão sentimental vem do medo de ser ridicularizado, de ser menosprezado, de ser julgado”, afirma Salcedo. Frases como “você está sempre rabugento”, “não dá valor ao que tem” e “não faz nada para mudar essa situação” não são apenas inúteis e nocivas, como também podem servir de gatilhos para o ato suicida.

Incentive a busca por tratamento

Durante as conversas, vale tentar ajudar quem está passando pelo desequilíbrio a sentir-se menos culpado e encorajá-lo a se tratar ou retomar um tratamento, se houver um transtorno psicológico associado, como a depressão. “É essencial mostrar o quanto aquela pessoa é importante para os demais, assegurar que a família e os amigos não vão ficar bem sem ela e que o momento de dificuldade vai passar. Ressaltar que, se estiverem unidos, vai ser possível achar uma solução”, exemplifica Scavacini.

Não se isole: peça ajuda da família e dos amigos

Conte com uma rede familiar ou de amigos, em que vários membros se mobilizam para dar esse suporte à pessoa que pensa em suicídio. “É como quando se descobre que uma pessoa da família está com um caso de câncer avançado, por exemplo. E aqui estamos falando de um caso tão grave quanto. Ninguém fica perguntando se a pessoa quer se tratar. Todos se unem e se mobilizam, até esgotar todas as alternativas possíveis”, diz Salcedo. Durante todo o tratamento, fique por perto e incentive que todos façam o mesmo. Quer dizer, marquem os retornos médicos, acompanhem nas consultas e façam a ponte com os profissionais que estão lidando com o caso. Isso é fundamental para que a terapêutica seja conduzida da melhor forma e para que o paciente não desista.

Se preciso, mude o tratamento

No caso da depressão, é comum que a terapêutica sofra ajustes ao longo do tempo, que os medicamentos prescritos pelo médico ou a dose deles sejam alterados, conforme o caso, até que o paciente apresente uma efetiva melhora. Então, se o tratamento não está mais surtindo efeito, é preciso buscar outro, sempre com acompanhamento médico, até chegar ao mais adequado.

Quanto mais se fala em suicídio, menos gente morre. Ligue 188

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Universa