menu
Topo

10 Perguntas

Gosta de filme pornô na TV? Ela é quem cuida de todos

Divulgação/Arte UOL
Cinthia Fajardo é gerente de marketing do grupo "Playboy do Brasil" Imagem: Divulgação/Arte UOL

Marcos Candido

Da Universa

28/08/2018 04h01

A carioca Cinthia Fajardo, de 44 anos, é a responsável pelo departamento de marketing do maior grupo de canais de TV a cabo pornô do país. A Playboy do Brasil, uma joint-venture formada por GloboSat e Playboy TV América Latina, produz e administra os conteúdos adultos dos canais Sexy Hot, Sextreme, Venus, PlayboyTV, Brazzers, Forman e Private.

Veja também

Cintia, que trabalha próximo a oito televisores que exibem os filmes pornô da empresa o tempo todo, conta nesta entrevista os desafios de concorrer com a pornografia gratuita na internet. Spoiler: a principal marca sob seu domínio, o Sexy Hot, vai ter trechos de filmes passados por WhatsApp a partir desta semana. E mais: o perfil das mulheres que assistem pornô e o que ela mesma gosta de ver para se animar.

Qual é o perfil básico de quem assiste canais pornô em TV por assinatura no Brasil?

A maior parte de nossos clientes é de casal casado e da classe B. E quem toma a atitude de fazer a assinatura é a mulher. 

E no geral, vocês já dissecaram o perfil de quem assiste pornografia seja pela TV ou internet?

Sim; temos cinco perfis: o que chamamos de “pornograficamente correto” (17%), o “status porn” (25%), o “Narciso das telas” (20%), o “fast porn” (22%) e o “eventual” (16%). O grupo dos pornograficamente corretos é composto por casais que consomem pornô para sair da rotina. Eles querem um enredo, clima de sedução e que o filme não vá sempre direto ao ponto – o que não significa cenas menos explícitas. O cliente status porn fala muito sobre sexo, leva o assunto para a mesa do bar e não vê a pornografia como um tabu. O Narciso das telas é uma pessoa, em geral, homem, que consome tanto pornô, que conhece produtoras, diretores e atrizes. Já o fast porn não se preocupa com qualidade, e assiste a todo momento, tipo no banheiro do trabalho. Por fim, temos o eventual, que como o nome diz, não faz grandes buscas por pornografia e assiste a conteúdos que calham de estar sendo transmitidos naquele momento.

O que o olhar feminino traz para esse tipo de trabalho?

Ele traz contrapontos para o ambiente geral desta indústria, que é majoritariamente masculino. Nossa equipe é formada por oito pessoas e sete delas são mulheres. Além disso, temos sempre mulheres nos nossos grupos de discussão. Isso ajuda a atender a todos os tipos de público. Nos últimos tempos, surgiram filmes com produção feminina; já não tão voltados apenas para o olhar masculino. Há equipes só com mulheres, que pensam outros ângulos, enquadramentos e que colocam a mulher como protagonista.

Apesar dessa novidade, sobram críticas no que diz respeito ao tratamento dado às mulheres na indústria pornô. O documentário “Hot Girls Wanted”, por exemplo, mostra os desrespeitos vários aos quais as atrizes americanas são submetidas, e a ONG americana Pink Cross, formada por uma ex-atriz para acolher profissionais dessa indústria, revelou que a expectativa de vida das atrizes pornô é de 36 anos. O que você faz para melhorar esse quadro, por aqui?
Obviamente, sou a favor de uma indústria ética, que trate atores e atrizes de forma correta. Nós nos aproximamos dos produtores, acompanhamos as gravações dos vídeos -- eu, inclusive, vou ao set. O uso de preservativo é obrigatório, previsto em contrato. Em filmes mais antigos, que não controlávamos o processo, nós sempre tivemos o compromisso das produtoras em terem exames de saúde controlados de forma rígida.

Além da entrada de mulheres nesse universo, quais outras tendências você observa no mundo dos filmes pornô?

Há uma busca maior por histórias e personagens mais próximos da realidade.

Por exemplo, fizemos um filme chamado “App”, cuja protagonista quer namorar e começa a marcar encontro com alguns homens via aplicativo de namoro. No final, os encontros terminam em sexo. Mas a protagonista fica triste porque a relação nunca vai para frente após a transa. Ela pede conselhos a uma amiga, que teve um relacionamento conquistado por meio de aplicativos, e por aí vai o enredo.

A história do entregar de pizza ou do encanador é muito clichê e todo mundo sabe que é improvável que aconteça na vida real. Além disso, há uma demanda em busca dos atores mais reais, não são necessariamente magros e com silicones nos peitos. Há mulheres mais maduras e outras que a sociedade julgaria como “acima do peso ideal”.

Conte algumas das informações curiosas que aparecem nos grupos de discussões que vocês promovem para melhorar os produtos.

Em muitos desses grupos conheci mulheres que falam não gostar de sexo anal, mas que gostam de ver cenas assim porque é a fantasia delas e, por isso, se excitam. Há outras pessoas que se imaginam no lugar da atriz ou do ator e também, se imaginando-se naquela situação.

Os assinantes dos canais da Playboy não são mais do que 400 mil. Como mantê-los, numa era em que a pornografia é gratuita na internet?

Temos alguns planos. Um deles é o “Grupo da Pelada”, que estamos criando no WhatsApp. Quem está nesse aplicativo dissemina fotos e vídeos pornôs e circulam conteúdo amador, captado pelo celular, que ninguém sabe de onde veio. Nosso objetivo é propagar conteúdo seguro, certificado e legal. Diferentemente do que acontece na internet, nossos filmes não têm cenas de estupro e nem que façam apologia às drogas, dois temas bastante encontrados na rede a um público segmento. Com o WhatsApp, além dessa segurança também divulgamos nosso produto, uma vez que esse grupo vai distribuir edições dos nossos próprios filmes. Estreamos hoje. 

Que tipo de problemas enfrenta para fazer marketing desse tipo de produto?

Digo para minha equipe que nós, do marketing, temos que vender de parafuso a livro. Mas, diferente de parafuso e livro, sexo é tabu. Nossa divulgação em outros canais de TV, por exemplo, só pode acontecer na madrugada. Vários veículos não vendem espaço para a gente e já negaram locação de espaços para nossa premiação com a justificativa de que ali acontecem casamentos. E olha que não deixamos nada explícito durante a festa. Mas tudo isso deixa o trabalho ainda mais desafiador e interessante.

Você criou o “Prêmio Sexy Hot”, que está na quinta edição, e premia os melhores atores e produções da cena pornô. Quais critérios contam na eleição?

Recebemos o material dos inscritos, formamos uma banca só com funcionários da empresa, selecionamos os três melhores de cada categoria (que são 18 este ano) e os colocamos para votação do público. Avaliamos, por exemplo, qual é a melhor cena de sexo anal, se os telespectadores ficam instigados com as imagens, se a atriz parece estar confortável e se a transa está inserida num enredo.

Você curte assistir filme pornô em casa?

Sim, eu gosto. Não é todo dia que chego em casa e ainda estou a fim de ver mais pornô, mas gosto de filmes que tragam um clima de sedução, com uma história, um enredo mais elaborado. Pessoalmente, sou mais tradicional.