menu
Topo

Mapa da mina

Ela criou anúncio em saco de pão com R$ 1.200 e fatura R$ 18 milhões ao ano

Acervo pessoal
Vanessa criou a Mídia Pane em 2011 com apenas R$ 1.200 Imagem: Acervo pessoal

Léo Marques

Colaboração para Universa

24/08/2018 04h00

Diante do dilema de priorizar a vida profissional ou a maternidade, a jornalista Vanessa de Oliveira, 36 anos, decidiu deixar o cargo em uma empresa na área petroquímica para poder empreender. Um encontro com as amigas rendeu a ideia que mudaria sua vida.

Atenta a uma tendência na Europa, ela decidiu colocar publicidade em sacos de pão. Nascia então a Mídia Pane, empresa fundada em 2011, em São José dos Campos (SP), presente hoje em 19 estados brasileiros e 288 cidades, que faturou mais de R$ 18 milhões, em 2017.

Veja também

Tudo começou da necessidade de Vanessa se dedicar mais a sua primeira filha. Na época, ela tinha 29 anos e trabalhava numa empresa de gasoduto na área de comunicação. As viagens por diferentes cidades do interior do estado de São Paulo eram frequentes. Muitas vezes, os locais eram de difícil acesso à internet e ao telefone.

Quando voltou da licença maternidade percebeu que esse ritmo era incompatível com as demandas de uma mãe de recém-nascida.

“Como antes trabalhava como repórter e também viajava muito, não me via voltando para a TV. Então, comecei a pesquisar mais sobre empreendedorismo. Vi todo o tipo de negócio que se pode imaginar, mas também não tinha uma reserva de capital suficiente para abrir uma franquia ou uma loja”, lembra Vanessa.

Uma conversa que mudou tudo

O dia da virada aconteceu quando ela resolveu encontrar duas amigas para tomar um café. ”Nós três estávamos na mesma situação: jornalistas, com as filhas com menos de um ano de idade, sem querer voltar para o mercado de trabalho formal, mas precisando muito ganhar dinheiro”, conta.

Acervo pessoal
Vanessa de Oliveira com a filha Giovanna, de 8 anos Imagem: Acervo pessoal

Foi nessa troca de ideias que surgiu uma lembrança sobre algo que uma delas já havia notado ser comum na Europa: propagandas em sacos de pão. “Coincidentemente, estávamos em uma padaria e vi uma quantidade enorme de saquinhos saindo naquela hora. Fiquei encantada com a ideia”, recorda.

A empolgação foi imediata. Vanessa chegou em casa e começou a pesquisar sobre o assunto. Após esboçar algumas ideias, combinou uma reunião para apresentar tudo às amigas, mas recebeu um banho de água fria. As duas haviam desistido.

“Acharam que não fossem dar conta do trabalho, buscavam algo mais tranquilo e, no auge da minha empolgação, nem tinha percebido isso. Fiquei sem rumo e acabei ligando para o meu irmão para desabafar”, diz.

Além do alívio emocional, a ligação também trouxe um novo sócio para Vanessa. O irmão, Henrique de Oliveira, que abrira há pouco tempo uma empresa de marketing educacional sozinho, decidiu largar tudo e abraçar o projeto da Mídia Pane.

Sem muito dinheiro, mas com um designer como sócio, Vanessa investiu R$ 1.200 em papelaria para desenvolver amostras que pudesse apresentar aos clientes.

“Passávamos as madrugadas fazendo modelos de embalagens, bem artesanalmente mesmo, e eu, na manhã do dia seguinte, enchia de pãozinho e ‘forçava’ uma reunião com a desculpa de que só iria entregar uma encomenda. Numa dessas visitas, fizemos a nossa primeira edição, com 100 mil embalagens para uma cooperativa de leite da cidade. Isso permitiu abrirmos o nosso primeiro escritório”, conta, orgulhosa.

Desapegar para crescer

O modelo de negócio adotado pela dupla incluía fornecer de graça os sacos de pão. A generosidade, claro, deixou muito dono de padaria desconfiado e alguns exigiam, até mesmo, um contrato reforçando que não haveria cobranças futuras. Com o passar do tempo, a empresa foi conquistando cada vez mais clientes na cidade, até extrapolar os limites da região.

“Muitas empresas passaram a nos achar pelo site e eu acabava viajando muito para atendê-las. Chegou uma hora que pensei: 'Poxa, quis sair da minha área para ter mais tempo com a minha filha e viajar menos e agora estou fazendo a mesma coisa?'”, se questionou.

Diante de um dilema parecido com o do passado, Vanessa decidiu contratar vendedores para ir em seu lugar, mas percebeu que isso não resolveria o problema. A opção por franquear a Mídia Pane foi, então, um caminho natural. 

“Quando decidimos lançar a franquia, na véspera do feriado de Carnaval, em 2012, tivemos uma grande surpresa. Só no final de semana, recebemos 60 cadastros de interessados. Após um mês, fechamos a nossa primeira turma de franqueados”, conta.

No modelo da Mídia Pane, o franqueado deve fazer o relacionamento com as padarias, prospectar, visitar clientes e fechar os anúncios. O escritório central fica responsável por preparar as campanhas publicitárias, desenvolver os layouts das embalagens e enviar para o endereço do franqueado.

O investimento inicial para abrir uma franquia é a partir de R$ 8.000 e isso vai depender do porte de cada cidade. Já o lucro, segundo Vanessa, pode variar de R$ 6.000 (para aqueles que costumam produzir apenas uma edição por mês) até onde o esforço do franqueado de fechar negócios puder levar.

O sucesso da fórmula desenvolvida por Vanessa e o irmão Henrique pode ser percebido no número de franqueados espalhados pelas 288 cidades. Hoje, ela tem uma remuneração mensal cinco vezes maior do que os R$ 4,5 mil que recebia quando resolveu largar o emprego para se dedicar a filha.

“Quando decidi empreender, o que mais me conquistou foi a possibilidade de ter horários mais flexíveis. Isso eu acho um ganho muito grande para as mães. Mas, ao contrário do que se pensa, tive que trabalhar muito e me desdobrar para dar conta de tudo. Entendo que isso foi uma escolha minha. Poderia ter me acomodado e trabalhado bem menos, mas esse jogo do empreendedorismo me encanta e posso dizer que é viciante”, confessa.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!