menu
Topo

Mães e filhos

Número de mães amamentando cresce nos EUA, mas elas ainda param cedo demais

false

da Universa, em São Paulo

23/08/2018 15h42

As mulheres estão amamentando mais nos Estados Unidos, no entanto, elas ainda conseguem fazê-los por um período mais curto do que aquele recomendado pelos médicos.

A conclusão é do relatório sobre amamentação publicado pelo CDC (Centers for Disease Control and Prevention), órgão do departamento de saúde do governo americano, publicado nesta terça (21).

Veja também

Dos bebês nascidos em 2015, ano de referência do estudo, 83,2% foram amamentados logo após o parto, 57,6% continuaram alimentados através do peito após seis meses e 35,9% ainda estavam contando com o leite materno aos 12 meses de vida. Estes últimos dois dados, aliás, são maiores do que aqueles observados entre os bebês nascidos em 2014.

"Apesar de haver a recomendação [da Academia Americana de Pediatria] para que os bebês sejam amamentados exclusivamente pelos seus primeiros seis meses, menos de 50% das crianças são exclusivamente alimentadas no peito por três meses e menos de 25% são exclusivamente amamentadas por seis meses", diz o relatório.

O CDC ainda apontou que, em 2018, apenas 49% dos empregadores do país oferecem uma locação à parte no local do trabalho para que mães possam fazer a ordenha de leite, uma das dificuldades que podem estar relacionadas aos baixos índices de amamentação por mais de três meses.

"Estes valores sugerem que as mães podem não estar encontrando o apoio necessário de equipes de saúde, membros da família e empregadores".

"Para alcançar seus objetivos na amamentação, mães precisam de continuidade em seus cuidados de saúde, que só serão atingidos por serviços e apoio consistente, colaborativo e de alta qualidade para elas", conclui o relatório.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!