menu
Topo

Transforma

Mulheres protagonizam um mundo em evolução

Roberta Miranda: "Se ser feminista é lutar pela mulher, eu me considero"

Divulgação/Fernando Hiro
Imagem: Divulgação/Fernando Hiro

Da Universa

03/08/2018 20h45

Em entrevista à Mariana Godoy, Roberta Miranda comentou sobre a forte presença das mulheres no sertanejo nos dias de hoje, que tem nomes como Simone e Simaria e Maiara e Maraísa, por exemplo, algo raro no começo de sua carreira.

No bate-papo, a cantora citou seus 25 anos de estrada e comparou ao fato de antigamente ser raro ouvir vozes femininas nesse gênero.

Veja também

“Sem nenhuma falsa modéstia, fiquei aí 25 anos reinando sozinha. (…) Sempre senti muita falta da voz feminina para o sertanejo, já que era um mundo comandado por bota e chapéu. Eu ia para a rádio ou para as revistas e dizia 'Gente, cadê as vozes femininas? Estamos precisando'. E agora, graças a Deus, tem essa invasão, esse movimento, acho muito legal”, conta.

Quando perguntada sobre o feminismo, Roberta Miranda disse que se considera parte do movimento, mas reforçou o papel da igualdade entre os gêneros.

“Se ser feminista é lutar pela mulher, pelo empoderamento e pelo lugar ao sol, eu me considero. Porém, aí tem uma grande diferença. Em momento algum eu quero desvalorizar, denegrir ou diminuir o homem, isso não. Mesmo porque os garotos e homens de hoje estão muito mais sensíveis, entendendo e respeitando mais”, concluiu.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Transforma