menu
Topo

Transforma

Mulheres protagonizam um mundo em evolução

Grupo punk feminista Pussy Riot invade campo durante final da Copa

Odd Andersen/AFP
Três mullheres e um homem do Pussy Riot invadiram o campo na final entre França e Croácia Imagem: Odd Andersen/AFP

Da Universa*

15/07/2018 13h44

A final da Copa do Mundo entre França e Croácia, no estádio Luzhniki, em Moscou, foi interrompida neste domingo (15) por causa da invasão de campo de três mulheres e um homem, em ato reivindicado pelo grupo punk feminista russo Pussy Riot.

A paralisação aconteceu aos 7 minutos do segundo tempo, com entrada no gramado por diferentes lados do campo.

Veja também 

Os invasores vestiam peças de roupas semelhantes às utilizadas pelos seguranças. Uma das pessoas tentou abraçar o croata Dejan Lovren, que chegou a ser puxado pelo braço, enquanto outra cumprimentou o jogador Kylian Mbappé, da França.

Olga Kurachyova, um dos membros do grupo, disse à Reuters, por telefone, ser um dos quatro invasores e que eles estão detidos em uma delegacia nas proximidades do estádio. Além dela, estão detidos Olga Pakhtusova, Nika  Nikulshina e Pyotr Verzilov. Essa informação é do site de notícias russo "MediaZona".

Em um vídeo publicado na conta de Waldemar Moskovsky, major-general das tropas de infantaria, no Twitter, dois dos jovens aparecem detidos. É dito a eles que por culpa da invasão sofrerão multa pela FIFA, e Verzilov retruca, dizendo que eles "estão em prol da Rússia". Na publicação foi usada a legenda "Aqui estão os idiotas". 

Por meio de suas redes sociais, o Pussy Riot assumiu a autoria da invasão. O grupo é conhecido pelo ativismo político, de oposição ao governo de Vladimir Putin. 

Maxim Shemetov/Reuters
Mulher é retirada do campo durante a partida entre França e Croácia Imagem: Maxim Shemetov/Reuters

Em nota divulgada no Facebook, o grupo diz ter escolhido a roupa como crítica à postura da polícia russa. Na Copa, ainda segundo a nota do Pussy Riot, os policiais "observaram cuidadosamente" as regras de convívio e "assistiram gentilmente" as multidões nas ruas do país. Mas durante a rotina russa, "perseguem prisioneiros políticos" e mostram "desprezo pelas regras".

Darren Staples/Reuters
Integrante do Pussy Riot cumprimenta o jogador Kylian Mbappé, da França Imagem: Darren Staples/Reuters

O Pussy Riot pede a "liberdade de todos os presos políticos" e cita nominalmente o cineasta ucraniano Oleg Sentsov, em greve de fome há mais de 60 dias numa prisão russa. O grupo também pede o "fim das prisões aleatórias em protestos", da "fabricação de provas" contra opositores do governo e "permissão para oposição política" na Rússia.

Ao explicar o protesto, o grupo lembrou que neste domingo a morte de Dmitri Prigov, poeta dissidente nos tempos de URSS, completa 11 anos. Prigov, em suas obras, mencionava frequentemente a figura do "policial", uma representação do aparato repressivo do Estado soviético.

Valerie Macon/AFP
Nastya, Maria Alyokhina e Kyril Kanstansinau, do Pussy Riot, tocam em Hollywood, Califórnia, em março de 2017. Imagem: Valerie Macon/AFP

Outros protestos

O Pussy Riot é uma banda punk que se tornou conhecida em 2012, quando fazia performances em locais públicos contra o presidente russo Vladimir Putin -- que foi ao estádio para ver a final da Copa -- e a repressão de minorias na Rússia, especialmente em relação à comunidade LGBT.

Além de se oporem ao governo, os integrantes do grupo também criticam a Igreja Ortodoxa russa. Em 2012, após uma apresentação na principal catedral de Moscou, a Catedral do Cristo Salvador, três integrantes -- Nadejda Tolokonnikova, Ekaterina Samutsevitch e Maria Alyokhina -- foram condenadas a dois anos de prisão por vandalismo motivado por ódio religioso. O Pussy  Riot chegou a ser considerado propagador do satanismo por representantes do Rússia Unida, partido que forma a base política do governo Putin.

Sergey Ponomarev/AP
Ekaterina Samutsevitch, Maria Alyokhina e Nadejda Tolokonnikova, integrantes da banda punk feminista Pussy Riot, no tribunal, em Moscou, em 2012 Imagem: Sergey Ponomarev/AP

Em agosto do ano passado, duas integrantes foram presas depois de realizarem protesto no presídio onde o cineasta ucraniano Oleg Sentsov está detido.

Neste ano, Maria Alyokhina, de 30 anos, uma das integrantes do grupo, foi detida e condenada a serviço comunitário por atirar um avião de papel contra o prédio da FSB, a agência federal de segurança russa, durante protesto contra o bloqueio do aplicativo de mensagens Telegram.

*Com informações da EFE e da Reuters

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Transforma