Topo

Inspira

Ideias para uma vida mais plena

Ter mais de 80 kg tira força da pílula do dia seguinte: verdade ou mentira?

iStock
Pílula do dia seguinte em questão Imagem: iStock

Talyta Vespa

Da Universa

23/06/2018 04h01

Na semana passada, passou a circular nas redes sociais um post de que a pílula do dia seguinte não teria efeito em mulheres que pesam acima de 80 quilos. A revolta das internautas motivou a Universa a conversar com três ginecologistas para checar a veracidade da notícia. Segundo os especialistas, ela não procede, mas também não está totalmente equivocada.

A ginecologista e obstetra Adriana de Góes explicou que o efeito da pílula do dia seguinte não é anulado por causa do peso, mas a eficácia do método tem uma queda de 6%. A informação foi confirmada pela especialista em Reprodução Humana Renata Menezes.

Veja também

“A diminuição da eficácia acontece por uma alteração no organismo em decorrência de mudanças hormonais. Devido à gordura, o corpo pode interpretar de forma contrária a ingestão da pílula, reagindo negativamente a ela”, explica Renata. “Mas não é só o peso que define isso, mas sim o IMC (índice de massa corporal). Afinal, uma mulher que mede mais de 1,90 m e pesa 80 quilos não tem tanta gordura no corpo.”

Segundo estudo do Consorcio Latinoamericano de Anticoncepción de Emergencia, publicado em 2015, o método contraceptivo deve ser ingerido por mulheres somente em caso de emergência – independente do peso delas.

“A redução da eficácia não significa que as mulheres devem deixar de contar com a pílula do dia seguinte, já que 6% de falha não é um número tão expressivo”, afirma Renata. Contudo, ela garante que não pode ser a única forma de prevenção durante as relações sexuais. “A pílula emergencial não pode ser usada sempre. É preciso que as mulheres usem camisinha e optem por métodos contínuos como anticoncepcionais e o DIU.”

DIU mirena é boa opção

Para obesas e mulheres com sobrepeso, o DIU mirena é a melhor opção, segundo o ginecologista e obstetra Alessandro Scapinelli. “Quem tem sobrepeso libera muito estradiol na corrente sanguínea, por isso precisa de um método contraceptivo sem hormônio ou que tenha apenas progesterona, e não estrogênio. É o caso do DIU mirena”, explica o especialista. “A falha do DIU hormonal é de uma para cada mil, já a do de cobre é de seis a cada mil”, afirma Alessandro.

Adesivo hormonal é risco

O perigo existe mesmo quando uma mulher com sobrepeso ou obesidade escolhe o adesivo hormonal como forma de prevenção. Alessandro explica que, esse, sim, se torna ineficaz com a grande presença de gorduras no corpo.

“Com o adesivo, o hormônio é liberado na pele para que chegue à corrente sanguínea. Quando há muita gordura, esse hormônio é retido por ela, o que pode anular a eficácia do preservativo”, explica o especialista. “O tecido adiposo dilui o esteroide, que tem dificuldades para chegar ao sangue e levar a informação para o cérebro”, diz.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Inspira