menu
Topo

Inspira

Ideias para uma vida mais plena

Mais conservadora, geração Z não enfrenta os pais e quer carteira assinada

Reprodução
millennials Imagem: Reprodução

Marcela Paes

Da Universa

06/06/2018 04h00

Ao contrário dos millenials --conhecidos por preferirem empregos menos convencionais à estabilidade-- a geração Z (nascidos entre 1995-2010) é bem mais conservadora quando os assuntos são trabalho e consumo. Esses jovens também preferem evitar confrontos com a família.

“Mais de 78% deles pensam duas vezes antes de comprar e 70% acham importante ter emprego com carteira assinada", diz Tracy Francis, sócia sênior da Mckinsey, empresa americana de consultoria empresarial que realizou um estudo sobre o tema com cerca de 2.300 jovens.

A pesquisa realizada pela empresa com jovens nas cidades de São Paulo, Recife e Rio de Janeiro mostra que a geração Z valoriza o diálogo acima de tudo. “Os millenials queriam desconstruir as coisas. A geração Z foge do embate", afirma Tracy. De acordo com o estudo, 54% dos pesquisados evitam o confronto com a família e 73% escuta e respeita opiniões diferentes.

O interesse em economia colaborativa e reaproveitamento de bens também é um dos traços dessa geração. A geração Z, que representa 20% da população atual do Brasil, prefere comprar o "acessos a comprar bens". "Também costumam reaproveitar. 68% já usou roupas de segunda mão", explica a executiva.

"Uma coisa interessante é que na geração Z as escolhas de consumo não diferem tanto de acordo com as classes sociais dos entrevistados. Pessoas de classes sociais diferentes querem as mesmas coisas”, explica Tracy. 

Veja também:

Apesar de serem liberais sobre temas como casamento gay e adoção de crianças por casais homossexuais, só 33% dos entrevistados é a favor da descriminalização da maconha.  Além de serem favoráveis à causas LGBTQ e feminismo, eles costumam militar pelos direitos que consideram importantes. 53% deles se considera militante defende toda causa ligada a identidade de pessoas, sendo 61% militam por raça/cor, 35% LGBTQ+ e 34% feminismo.

Os dados completos do estudo serão apresentados nesta quarta, 6,  por Tracy Francis no Wired Conference Retail, evento de tecnologia que reúne grandes marcas do varejo.

Mais Inspira