menu
Topo

Violência contra a mulher

Acusado de abuso, Woody Allen diz que poderia representar o #MeToo

Reprodução
Woody Allen em entrevista à TV argentina Imagem: Reprodução

Da Universa

04/06/2018 16h12

Mais do que negar as denúncias de abuso feitas pela própria filha adotiva, Woody Allen acredita que poderia ser o rosto do movimento #MeToo, que trouxe à tona décadas de abusos contra mulheres em Hollywood.

Em entrevista ao programa argentino "Periodismo Para Todos", o diretor norte-americano declara que se sente triste pelas acusações de Dylan Farrow. No começo do ano, em uma entrevista à CBS, ela acusou o pai adotivo de tê-la tocado inapropriadamente quando ela tinha 7 anos.

Veja também

“Foi algo minuciosamente analisado há 25 anos pelas autoridades e a conclusão é de que não era verdade”, responde Woody.

Representante do #MeToo

Em outra parte da entrevista, Allen elogia o movimento: “Apoio o movimento, quero que leve justiça. Acredito que é algo bom. O que me irrita é ser vinculado aos acusadores. Pessoas que foram acusadas de abuso por 20, 50, 100 mulheres e eu que fui acusado uma vez e demonstrado que era falso, sou ligado a essas pessoas”, reclama.

“Eu deveria ser o rosto nos cartazes do movimento #MeToo porque trabalhei em filmes durante cinquenta anos, trabalhei com centenas de atrizes e nenhuma delas, grandes, famosas, nunca sugeriu nenhum tipo de indecência. Empreguei centenas de mulheres nas equipes que produzem os filmes e pagamos exatamente os mesmos salários que os dos homens. Portanto, estou ao lado delas e sinto que sou parte disso”, diz.