menu
Topo

Universa

Esperma é bom para pele? Dá pra gozar e não ejacular? Mitos e verdades aqui

Getty Images
Oito fatos que todo mundo precisa saber sobre o esperma Imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Colaboração com Universa

25/05/2018 04h00

Acumular pode causar câncer? É possível gozar sem ejacular? Passar sêmen no rosto deixa a pele mais bonita? Confira o que é verdade e o que é mito.

1. Acumular esperma não é bom, não

Embora ainda não existam evidências científicas de que o acúmulo de esperma pode causar problemas na próstata, certos estudos sugerem que ele seja, de alguma forma, carcinogênico. "Algumas pesquisas mostram que homens com vida sexual mais ativa - ou seja, que ejaculam mais - diminuem a chance de ter câncer de próstata, mas isso não está completamente confirmado. Então, teoricamente, acumular pode ser ruim por esse motivo", diz Alex Meller, urologista da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Porém, normalmente, o próprio organismo costuma produzir uma ejaculação noturna para eliminar a quantidade "concentrada".

Veja também:

2. Gozar e ejacular são coisas completamente diferentes

O orgasmo masculino é uma sensação totalmente cerebral. Normalmente acontece junto com a ejaculação, mas isso não é regra. Na verdade, o prazer é independente do ato do homem ejacular ou não", afirma Valter

3. A "babinha" pode provocar gravidez

Seu nome científico é líquido pré-ejaculatório, um fluido cheio de substâncias que preparam o caminho para a passagem do espermatozóide. De acordo com Javaroni, trata-se de uma secreção produzida pelas glândulas periuretrais (em volta da uretra) em resposta ao estímulo e à excitação sexual. "A finalidade seria lubrificar o pênis e a vagina, facilitando a penetração. Esse líquido pode conter espermatozoides móveis e, por isso, a prática do chamado coito interrompido é perigosa quando a gravidez não é desejada", avisa o urologista. Isso é mais comum em uma segunda relação sexual na mesma ocasião - na primeira transa, nem sempre o líquido conta com espermatozóides, já que alguns "morrem" devido à acidez da uretra.

4. Poluções noturnas podem acontecer durante a vida toda

A liberação do sêmen durante a noite começa usualmente no início da puberdade, por conta do aumento da produção de testosterona pelos testículos e da consequente atividade da próstata, das vesículas seminais e dos próprios testículos, que ficam maiores e mais tensos. Mais associadas à fase da adolescência, as poluções podem durar até a vida adulta, enquanto os homens tiverem bons níveis de testosterona. "Quando o jovem começa a se masturbar ou a fazer sexo, as poluções se tornam mais raras. No adulto, entretanto, quando a frequência sexual é modificada de maneira abrupta podem voltar a acontecer episódios", fala Javaroni.

5. O volume diminui com o passar dos anos

A melhor fase de fecundação para o homem é entre 18 e 35 anos. "A partir daí, o sêmen do homem começa a perder qualidade e, apenas teoricamente, não deveria engravidar. Claro que existem casos de pacientes com filhos mais tardiamente, mas isso geralmente envolve alguma dificuldade. A janela de tempo ideal é mais jovem", explica Alex Meller.

6. Usos "curiosos" para o sêmen? Lenda!

Volta e meia surgem notícias - ou melhor, boatos - de que o esperma pode ter uso cosmético em pastas de dentes e cremes de beleza. Ingrediente de drinques e pratos, substituto para cola e até recurso para diminuir os enjôos matinais das grávidas são outras utilizações que já foram especuladas, mas, segundo os especialistas, é tudo lenda. "Considerando que se trata de um líquido biológico e rico em vários micronutrientes, não é de se estranhar o fato de que muitos usos curiosos derivados do sêmen já foram relatados. Não há, todavia, base científica e segurança comprovada para o emprego rotineiro. Até porque o esperma pode conter germes e veicular doenças", fala Valter Javaroi, da SBU.

7. O esperma contém inúmeras doenças

O sêmen pode abrigar mais de 20 diferentes tipos de vírus. Se o homem tem uma prostatite (doença inflamatória da próstata), ao ejacular diretamente na vagina há o risco de transmitir bactérias que podem provocar uma infecção grave na mulher. Doenças sexualmente transmissíveis como HIV e herpes também podem ser veiculadas através do contato com o esperma, por isso o uso de preservativo é imprescindível.

8. Cheiro e gosto diferem de homem para homem

O aroma e o sabor do esperma mudam de acordo com o que cada sujeito come. Comidas muito temperadas, por exemplo, deixam o gosto amargo. O sêmen de fumantes e alcóolicos também pode ser mais amargo que o de vegetarianos, não fumantes e abstêmios. A quantidade de frutas e açúcares ingeridos também altera o sabor. O cheiro varia conforme a pessoa, mas alterações muito drásticas e marcantes podem ser sinal de infecções.

Mais Universa