menu
Topo

Diversidade

Na cadeira de rodas, mãe é a 1ª cadeirante negra do Theatro Municipal de SP

Filipe Souza Leão

Colaboração para Universa

13/05/2018 04h01

As propagandas nos lembram: está chegando o Dia das Mães.

Na TV, na Internet, nas lojas, nos shoppings, nos panfletos entregues na rua ou no metrô são mostradas as alegrias e as dificuldades de ser mãe, as lembranças com e dos filhos, a gratidão traduzida em presentes, cartinhas, vídeos e mensagens fofas.

Foi por isso que a história da Mona Rikumbi precisou ser contada, registrada e documentada. Esse vídeo você assiste acima! 

Mona fez faculdade de Nutrição, mas teve que abandonar. Montou um restaurante com amigas que precisou ser fechado, e acabou se encontrando na enfermagem. No meio de tudo isso, ela é mãe e cuidou sozinha do filho, hoje com 24 anos.

Veja também

Nunca abandonou a dança e o teatro, e assim se tornou a primeira mulher negra cadeirante a se apresentar no palco do Theatro Municipal de São Paulo.

O primeiro contato com Mona, nome recebido no Candomblé etnia Bantu, vem acompanhado de um convite de mãe: almoçar em sua casa na Cidade Ademar no domingo, quando ela recebe amigos para uma festa.

O documentário de Mona Rikumbi foi dirigido pelo fotógrafo e documentarista Lucca Messer em parceria com a produtora LateForCake.

Mona é festa, é luz, é movimento, apesar de se locomover em uma cadeira de rodas desde 2007, por conta do avanço da Neuromielite Óptica, descoberta quando ela tinha 30 anos. 

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!