Mães e filhos

Com morte dos pais, filha mais velha lutou por guarda definitiva de irmãos

Divulgação SBT
Os irmãos pouco depois da morte dos pais Imagem: Divulgação SBT

Léo Marques

Colaboração para Universa

07/05/2018 04h00

Marina, 28 anos, Gustavo, 20, e Beatriz de Santis,16, são irmãos e vivem sozinhos em Campinas, no interior de São Paulo. “Em 2006, meu pai descobriu um tumor cerebral e, após seis meses, faleceu. E logo no final do mesmo ano, minha mãe também descobriu que estava com câncer e faleceu em seguida”, revela Gustavo.

Após essa tragédia em família, Marina, na época com 18 anos, lutou para conseguir a guarda legal dos irmãos mais novos, criá-los e manter a organização e o sustento da casa. “A luta começou antes mesmo de meus pais morrerem, pois o próprio processo da doença que tiveram me obrigou a estar sempre por perto deles e das crianças”, explica Marina, que teve de conciliar o último ano da escola com o cuidado dos irmãos, as tarefas de casa e a rotina em hospital – tudo sozinha. 

Veja também

Da morte dos pais surgiu uma mãe

Logo após a morte dos pais, a jovem teve de encarar ainda inúmeras batalhas. A primeira delas foi desafiar os tribunais de Justiça para poder assumir a responsabilidade legal pelos dois irmãos. “Foi muito doloroso, pois, para conseguir isso, tive de reviver intensamente o meu passado e me submeter a avaliações de juízes, assistentes sociais e psicólogos”, relembra.

Arquivo pessoal
Marina e Gustavo Imagem: Arquivo pessoal

Em seguida, ela enfrentou a ansiedade e as incertezas, pois até que saísse a tutela definitiva foram cinco anos de burocracias. “Eu era muito nova e, caso não quisesse me separar dos meus irmãos, precisava sair 100% bem em habilidades maternais”, diz.

Isso, porque a caçula Beatriz agia e falava como um bebê, na maioria das vezes, não comia sozinha e tinha dificuldade em ganhar peso. Já Gustavo não tinha limites e insistia em desobedecer a irmã mais velha. Marina considera essas atitudes como traumas e desabafos.

Amigos, vizinhos e até Supernanny deram suporte

Para não jogar tudo para o alto, Marina contou financeiramente com uma pensão do Governo e bens deixados pelos pais e, quanto à parte emocional, recebeu apoio e carinho de amigos, vizinhos e até de especialistas em comportamento infantil, como a pedagoga Cris Poli, a Supernanny do SBT. Foi ela quem orientou Marina como disciplinar e cuidar das crianças.

Divulgação SBT
Cris Poli, a Supernanny, ajudou os irmãos a superarem a morte dos pais Imagem: Divulgação SBT

“Contar com a Cris Poli foi especial, assim como as famílias que meus pais conheciam e eu confiava para olhar as crianças quando raramente saía para me divertir”, comenta Marina.

Depois de encontrar meios para driblar todos os desafios e provar que os irmãos estavam se saindo bem nos estudos, eram bem alimentados, cuidados e que nada os faltava, Marina conseguiu a guarda definitiva.

“Tive que amadurecer financeiramente e aprender na marra a administrar a casa para termos uma boa qualidade de vida”, complementa Marina, que também teve de ficar dois anos sem poder trabalhar para se dedicar exclusivamente à família.

Ela só retomou o controle da própria vida há alguns anos, depois que os irmãos cresceram. “Enquanto eles estudavam em período integral, eu fui fazer faculdade e trabalhar, senão estaria até hoje estagnada”, afirma.

Atualmente, Gustavo cursa a faculdade de direito, tem boas notas, e Beatriz, que está no segundo ano do ensino médio, pretende estudar medicina.

Lição para o resto da vida: mãe é quem cria

Após a dura missão que a vida lhe impôs, Marina desabafa: “Foi preciso abrir minha mente, pois a princípio queria que meus irmãos me respeitassem como mãe, mas aprendi que só sou apenas a irmã mais velha e nunca poderei me posicionar de outra maneira”.

Nas palavras de Gustavo: “Minha irmã foi uma heroína e, depois que me tornei maior de idade, nunca me proibiu de nada. Ela sabe que não é minha mãe e também que sempre pode confiar em mim. Hoje eu me preocupo demais com as nossas vidas e me orgulho de nossa história, que serve de reflexão para outras pessoas”.

Nos dias das mães e dos pais, a família prefere ignorar as datas e tenta se distrair como pode. “Costumamos passear ou fazer compras, e percebo que de alguma forma isso nos faz bem”, conclui Marina.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AzMina
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Topo