Sexo

Síndrome da Vagina Morta: tudo sobre essa polêmica envolvendo vibradores

Getty Images
Imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Colaboração para Universa

03/05/2018 04h00

Há algum tempo circulam na internet - principalmente em sites e fóruns dos Estados Unidos e do Reino Unido - informações sobre uma lenda, digamos, urbana capaz de amedrontar a mais corajosa das mulheres: a temida "Dead Vagina Syndrome". 

A Síndrome da Vagina Morta, em tradução livre para o nosso idioma, consiste em uma diminuição maciça e crescente da sensibilidade após o uso recorrente de vibradores. Segundo as teorias, o apelo constante das mulheres aos sex toys acaba criando uma espécie de tolerância à estimulação clitoriana e vaginal, impossibilitando o orgasmo tanto com aparelhos quanto com parceiros de carne e osso. Com o passar do tempo, a vagina acaba por "falecer" de vez e o prazer vai literalmente para o Além.

Veja também

Seja qual for a origem dessa história horripilante, o fato é que ela não corresponde à realidade. E, na prática, trata-se apenas de mais um tabu para cercear e limitar a sexualidade feminina e fazer com que as mulheres se sintam culpadas por se masturbarem. Não há, na literatura médica, nenhum estudo que comprove que a condição ligada à Síndrome da Vagina Morta realmente exista.

Getty Images
Imagem: Getty Images

Dormência temporária

Segundo o psicólogo e terapeuta sexual Oswaldo Martins Rodrigues Jr., diretor do InPaSex (Instituto Paulista de Sexualidade Humana), o que acontece é que, após uma estimulação por tempo prolongado, qualquer órgão do corpo perde a sensibilidade e fica dormente. "A sensibilidade volta ao estado anterior em poucas horas ou até no outro dia. É uma dormência temporária que não oferece risco algum. Mas se a mulher partir para uma nova masturbação com o brinquedo ou para a penetração do parceiro logo depois de um orgasmo via vibrador, é óbvio que a sensação experimentada será diminuída", conta.

De acordo com Oswaldo, a estimulação vaginal regular através da introdução de masturbadores de maior tamanho tem o risco de produzir lacerações. Assim, o tecido cicatrizado pode dificultar as transas, por causar dor. Porém, isso não tem nada a ver com sensibilidade prejudicada.

De acordo com uma pesquisa relatada pela ginecologista e obstetra Shazia Malik, do Reino Unido, os efeitos dos casos de dessensibilização após o efeito da vibração em mãos desapareceram dentro de uma hora - e o mesmo poderia ser relatado sobre a vagina. Outro estudo observou que apenas 0,5% das mulheres relataram perda da sensibilidade por mais de um dia após o uso de um vibrador.

Getty Images
Imagem: Getty Images

Vida longa às vaginas

Para a ginecologista e obstetra Cristina Carneiro, de São Paulo (SP), é válido lembrar que o uso de vibradores pela ala feminina é recomendável por muitos especialistas. "Ele não só ajuda a mulher a conhecer o próprio corpo e a descobrir as áreas que mais lhe dão prazer como também podem ser usados em diversas práticas e brincadeiras a dois. Além disso, já foi comprovado que o aparelho oferece vários benefícios à saúde, inclusive permitindo que a vagina seja fonte de prazer e bem-estar por muito mais tempo", afirma.

Conforme pesquisas de Mary Jane Minkin, professora obstétrica, ginecologista e de ciências reprodutivas da Universidade de Medicina de Yale (EUA), o vibrador tem efeitos para as mulheres durante o climatério e após a menopausa, quando apresentam atrofia vaginal pela diminuição dos hormônios, secura na região, infecções no trato urinário, coceira e dores e sangramento durante a relação sexual. Com o uso frequente do vibrador, aumentam o fluxo sanguíneo e a lubrificação da vagina, há diminuição da atrofia vaginal e de todos os outros sintomas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Da Universa
Mayumi Sato
Blog da Regina
Da Universa
Blog da Regina
Blog Deu Match
Da Universa
Da Universa
Blog da Regina
Blog Deu Match
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Blog da Regina
Da Universa
Da Universa
Blog Deu Match
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Blog da Regina
Blog Deu Match
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Mayumi Sato
Blog da Regina
Da Universa
BBC
Blog da Regina
Da Universa
Da Universa
Blog Deu Match
Da Universa
Blog Deu Match
Da Universa
Blog Deu Match
Da Universa
Mayumi Sato
Blog da Regina
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Topo