Mães e filhos

Sabrina Sato engravidou menstruada? Veja como o DIU pode confundir mulheres

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Talyta Vespa

Colaboração para Universa

02/05/2018 04h00

A revelação da gravidez de Sabrina Sato surpreendeu os fãs na segunda-feira (30). Ao UOL, a mãe da apresentadora, Dona Kika, revelou que a filha só descobriu que estava grávida no hospital, após sofrer um acidente e lesionar o joelho.

Em fevereiro, a apresentadora completou 37 anos e tirou o DIU (dispositivo intrauterino) para tentar engravidar. Ser mãe sempre foi um sonho para ela, disse na época. Contudo, durante a adaptação sem o método contraceptivo, Sabrina passou a ter sangramentos constantes – sangrou por quase dois meses e, nesse meio tempo, engravidou.

Ué, mas é possível engravidar menstruada? Segundo o ginecologista e especialista em reprodução humana Erico Lawrence, não. O que aconteceu com Sabrina, e com tantas outras mulheres, foi a confusão entre menstruação e “escape”. “Menstruação é a descamação das paredes do útero, já o escape é a descamação do endométrio. Uma coisa não tem a ver com a outra. Por isso, uma mulher pode ter escape durante o período fértil e, se tiver relação sexual sem proteção, tem grandes riscos de engravidar mesmo sangrando”, explicou o especialista.

Veja também

E a irregularidade não acontece só em quem já usou um método contraceptivo. Há mulheres que, naturalmente, têm fluxo irregular — e são elas as que mais precisam tomar cuidado caso queiram evitar uma gravidez. "Quem tem fluxo irregular não pode confiar na famosa tabelinha na hora de transar. Para esses casos, a camisinha é indispensável", explicou o médico.

Lembrando que o preservativo não serve apenas para prevenir gravidez, mas também para evitar a transmissão de DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis). Usem sem moderação.

O efeito do DIU no corpo das mulheres

De acordo com Lawrence, quando uma mulher opta pelo método contraceptivo hormonal — o anticoncepcional ou o DIU Mirena —, desacostumar o corpo com os efeitos dos hormônios demora. Por isso, a partir do momento em que o dispositivo é retirado, a mulher pode apresentar irregularidades no ciclo menstrual, além de escapes constantes.

"Muitas mulheres aproveitam essa situação e fazem sexo sem preservativo, acreditando que a menstruação vai evitar a gravidez. O que elas precisam saber é que nem sempre sangramento é menstruação", disse o médico.

A irregularidade no ciclo menstrual ocorre, majoritariamente, com o DIU hormonal. Mulheres que optam pelo de cobre não sofrem com esse problema, segundo o especialista. “O DIU de cobre funciona apenas como uma barreira, é espermicida. Quando o dispositivo é retirado, é como se a porta se abrisse. Tudo volta ao normal, não interfere no ciclo menstrual nem nos hormônios", afirmou.

Qual método é melhor?

Cada mulher tem características e limitações fisiológicas, por isso, tudo depende da adaptação quando o assunto é qual dos métodos é o melhor. No entanto, o especialista tem seu queridinho: o DIU hormonal. "O DIU de cobre apresenta mais desvantagens em relação ao Mirena: pode aumentar o fluxo menstrual e as cólicas, afinal, o útero o reconhece como um corpo estranho e se contrai para o tentar expelir”, explicou. O lado bom, além da não-alteração hormonal, é que a durabilidade do dispositivo é de dez anos.

É claro que o DIU hormonal também apresenta desvantagens — o aumento da oleosidade da pele e a durabilidade de apenas cinco anos são duas delas. “Ao mesmo tempo, é um ótimo método para mulheres que têm risco de desenvolver trombose. Ele não libera estrogênio, só progesterona, que não afeta a circulação sanguínea”, garantiu Lawrence.

Nem A, nem B. Uma solução para quem não quer hormônio mas também não quer sofrer com os efeitos das cólicas é o DIU de cobre com prata. A prata vem exatamente para amenizar os efeitos colaterais que o cobre causa, e sem hormônios. “Ainda é muito novo, está sendo estudado. Tenho uma única paciente que optou por ele. Porém, é uma opção futura”, garantiu Lawrence.

Atualmente, mais de 50% das mulheres optam pelo DIU hormonal ao invés do de cobre. Os convênios, em sua maioria, já cobrem os custos do procedimento. O risco de gravidez com o dispositivo é menor que 1%.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AzMina
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Topo