menu
Topo

Beleza

Preenchimento labial: tudo o que você precisa saber antes de encarar um

Getty Images
A irmã caçula de Kim Kardashian, Kylie Jenner, não só já afirmou ser adepta dos preenchimentos, como se tornou referência estética por isso Imagem: Getty Images

Geiza Martins

Colaboração para Universa

24/04/2018 04h00

No mundo da estética, as agulhas parecem fazer o papel da varinha mágica. Basta usá-las e, plim, lá está você com um visual novinho em folha. Principalmente quando o assunto é preenchimento labial, que pode nos deixar instantaneamente com a boca da Scarlett Johansson. Anitta que o diga, né?

Mas antes de investir em lábios avassaladores, é preciso conhecer (e bem) o que é o preenchimento labial as substâncias dentro das injeções, pois há contraindicações que causam até arrepios - entre elas o risco de alergia, dor crônica, embolia pulmonar e até necrose!

Veja também

As mais procuradas

Geralmente, as pessoas pensam que o preenchimento labial é feito com substância botulínica. Mas o botox não é utilizado para esse fim, não! As substâncias mais conhecidas são ácido hialurônico, metacrilato (também chamado de Polimetilmetacrilato, PMMA, metacril ou bioplastia) e enxerto de gordura. Correndo por fora, há duas novas técnicas, a micropigmentação e o microagulhamento.

Para você conhecer melhor cada uma delas, fazemos aqui um mini-dossiê. E também vale o aviso: somente médicos especializados podem realizar qualquer um desses procedimentos.

1) Ácido hialurônico: o preenchedor é tido como o mais seguro, segundo a dermatologista Karla Assed, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da American Academy of Dermatology. O efeito de volume não é definitivo, pois o organismo absorve totalmente o ácido por meio de um processo chamado de fagocitose. Por ser dolorida, a aplicação se dá com anestesia ou creme anestésico. Alguns profissionais apostam também em massagens durante o procedimento para aliviar a dor. A quantidade a ser colocada depende de cada um, mas lembre-se, menos é sempre mais. Se mal feito, preenchimento labial pode comprometer a beleza do rosto.

Contraindicação: algumas pessoas podem desenvolver alergia ao ácido, porém, é  bastante raro.

Duração: O efeito dura de 6 a 8 meses, pois a fagocitose acontece de forma lenta. Pode ser reaplicado antes da substância ser eliminada totalmente. Também é usado para reduzir rugas.

2) Metacrilato: o PMMA é um gel com microesferas de acrílico que promove um efeito definitivo e não deveria jamais ser usado em procedimentos estéticos! Foi essa substância sintética que quase levou Andressa Urach à morte. Infelizmente, muitos locais como clínicas de estética e até salões de beleza oferecem o procedimento por valores baixos. Mas, saiba que é uma cilada. Segundo uma pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica – Regional São Paulo (SBPC-SP), essa substância sintética provocou deformidades e complicações em cerca de 17 mil pessoas entre 2015 e 2016.

Contraindicação: o metacril só é indicado para portadores de HIV. Ele pode causar manchas, deformidades, inflamação, dor crônica, embolia pulmonar e até necrose. Ou seja, fuja!

Duração: definitiva. O enxertado só pode ser removido com cirurgia.

3) Gordura enxertada: é um processo permanente, porém, é preciso fazer reaplicações até que chegue no volume desejado, já que o organismo absorve parte da substância. À princípio, o processo é simples. Basicamente, transfere-se a própria gordura de outra área do corpo (culotes e ou abdômen) para os lábios. Para isso, é feito uma pequena lipoaspiração. Porém, a gordura não é reaplicada sem antes passar por um processo de homogeneização. Vale avisar que os resultados não são muitos previsíveis e, se você emagrecer, o preenchimento tende a sumir.

Contraindicação: pode causar vermelhidão e edema na pele.

Duração: permanente

4) Microagulhamento labial: Aqui não há substância alguma, na verdade a ideia é estimular colágeno para ajudar na volumização. A ideia são lábios rejuvenescido, com volume natural, diferente dos preenchimentos. Segundo Karla Assed, o procedimento envolve injetar várias microagulhas na pele para provocar uma renovação celular. A técnica ainda é associada à radiofrequência, fazendo que com que a ação seja ainda mais profunda na derme.  “Uma das grandes vantagens é que ele pode ser usado por pessoas sensíveis à temperatura, e em peles negras sem causar nenhum tipo de reação alérgica, muito comum nos lasers”, explica.

Contraindicação: é preciso tomar cuidado no pós-procedimento, usando hidratantes, cicatrizantes.e restruturadores celulares. Não é indicado para gestantes e mães em fase de amamentação.

Duração: São necessárias de 3 a 4 sessões para ver o efeito aparecer. Segundo especialistas, a duração dele depende de cada pessoa.

5) Micropigmentação labial: é menos invasivo que o preenchimento. Obtido após somente uma sessão, o resultado buscado é de lábios maiores. Segundo a micropigmentadora Raphaella Bahia, da FR Microcenter, funciona redesenhando o contorno labial e preenchendo a área interna dos lábios com uma cor levemente rosada. "A impressão é de lábios em 3D, ou seja, ela consegue rejuvenescer os lábios, pois com a idade, perde-se o contorno da boca e a pele vai ficando flácida". A micro também ajuda a disfarçar aquelas ruguinhas ao redor da boca.

Contraindicação: Não é indicado para portadores de diabetes, câncer de pele, alergias tópicas, portadores de marca passo, gestantes e pessoas com tendência a quelóide.

Duração: assim como a micropigmentação de sobrancelha, dura de 8 meses a 1 ano.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!