Violência contra a mulher

Isabella Rossellini não vai denunciar estuprador: 'Destruiria a vida dele'

Astrid Stawiar/Stringer/Getty Images
Isabella Rossellini Imagem: Astrid Stawiar/Stringer/Getty Images

Da Universa

17/04/2018 17h26

Apesar de entender a importância do movimento #MeToo (eu também, na tradução livre), a atriz e modelo Isabella Rossellini decidiu que não vai revelar o nome do homem que a estuprou. “Eu entendo que, para muitas pessoas, é importante falar sobre as próprias experiências. Contudo, para mim, não tem importância”, disse a artista ao portal de notícias americano Vulture.

“Eu fui estuprada com 15 ou 16 anos. O abusador era um ano mais velho que eu. Por que eu iria trazer essa história à tona 48 anos depois? E se as pessoas começarem a dizer que eu preciso revelar o nome dele? Eu nem sei o que aconteceu com ele. Ele pode estar casado, pode ter filhos. Eu sou uma estrela na Itália. Se eu revelar quem fez isso comigo, vou destruí-lo”, explicou a artista.

Veja também

Parte do motivo que levou a atriz de "Veludo Azul" a tomar essa decisão foi o fato de os tempos terem mudado. “Esse homem me machucou em um contexto de uma cultura que estamos todos tentando mudar. Eu não acho que devo apontar o dedo para uma pessoa e destruir a vida dela porque ela me fez mal em outro momento. Não tenho coração para isso”, concluiu.

Apesar da decisão de não levar a denúncia adiante, Isabella deixou claro que acha o movimento super importante. “Para mim, o mais interessante é como o #MeToo mostrou a todos como nós, mulheres, somos diminuídas das mais diversas formas. O estupro é uma forma de machucar que todo mundo reconhece. No entanto, há outras formas. Poderia ser seu chefe dizendo que sua saia caiu bem em você. É um elogio, mas você se sente diminuída. Ouvir mulheres de todas as idades contanto suas histórias e mostrando como os homens podem ser desonestos é inspirador”.

A postura de Isabella contrasta com a de muitas de suas colegas, principalmente com Catherine Deneuve. No entanto, ela prefere seguir a própria decisão. “É tão complicado. Estou feliz por estarmos falando sobre essas questões, porque todas as mulheres foram perseguidas, mas isso nunca foi discutido antes”. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
AFP
BBC
Da Universa
BBC
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Estadão Conteúdo
Blog da Regina
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC Brasil
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
BBC
Da Universa
AFP
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
DW
EFE
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Topo