Recomenda

Dicas de filmes, séries, leituras, sons, espetáculos

Estas brasileiras mudaram a história. Mas você conhece a história delas?

@Lole
Ilustração da guerreira Dandara Imagem: @Lole

Natacha Cortêz

da Universa, em São Paulo

29/03/2018 04h00

Madalena Caramuru viveu no começo do século 16, na Bahia, e foi a primeira brasileira alfabetizada da história. Dandara aprendeu a fabricar espadas e a lutar com elas; foi uma importante guerreira para o Quilombo dos Palmares. Maria Quitéria enganou todo mundo ao se vestir de homem e foi lutar contra o domínio português na Guerra da Independência (1822 a 1824). Indianara Siqueira nasceu em 1971, em Paranaguá, litoral do Paraná, e hoje é uma das lideranças mais atuantes da comunidade trans.

Essas e outras brasileiras impactaram a história e, indiretamente, a vida de quem é mulher no país. Mesmo assim, raramente aparecem nos livros ou ouvimos falar delas.

Veja também

Divulgação
Indiana Siqueira, coordenadora da ONG Trans-Revolução Imagem: Divulgação

No livro "Extraordinárias - Mulheres que revolucionaram o Brasil" (do selo Seguinte da Companhia das Letras) a histórias dessas e mais 40 mulheres, brasileiras ou abrasileiradas, são contadas ao lado de retratos ilustrados por artistas mulheres, também brasileiras. 

Entre as heroínas da vida real estão mães, guerreiras, escritoras, atrizes, cantoras, estilistas, engenheiras. Mulheres que dedicaram suas vidas a lutar por seus ideais, mas que nem sempre foram compreendidas ou reconhecidas por suas trajetórias.

Dinalva Oliveira Teixeira, guerrilheira do Araguaia, foi uma dessas. "Dizem que pediu para ser executada de frente, olhando para seu algoz, sem se dar por rendida. (...) Aos 29 anos, levou um tiro no peito, outro na cabeça e foi enterrada ali mesmo. Seu corpo nunca foi encontrado", conta o livro escrito pelas jornalistas Duda Porto Souza e Aryane Cararo. 

Bárbara Malagoli
Bertha Lutz brigou pelo que acreditava em uma época em que mulheres precisavam pedir autorização dos maridos até para trabalhar fora de casa Imagem: Bárbara Malagoli

Bertha Lutz, uma feminista pioneira, também perfilada por Duda e Aryane, brigou pelo que acreditava em uma época em que as mulheres precisavam pedir autorização dos maridos até para trabalhar fora de casa. Sua luta mudou significantemente o papel da mulher na política. Sem Bertha, talvez o voto feminino e a igualdade de direitos políticos tivessem de esperar para além da década de 1930 até virar realidade. 

O livro custa R$ 59,90 ou R$ 39,90, no caso do e-book.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
do UOL
Topo