Violência contra a mulher

Ex-assistente de Harvey Weinstein tentou "parar abusos" há duas décadas

Getty Images
O produtor de Hollywood, Harvey Weinstein Imagem: Getty Images

Da Universa

28/03/2018 10h28

“Presa em uma espiral de medo”. Foi assim que a ex-assistente de Harvey Weinstein descreveu sua tentativa de parar os assédios e abusos promovidos pelo produtor de Hollywood há duas décadas.

Em entrevista à Associated Press, Zelda Perkins afirma ter assinado um acordo de silêncio após deixar o cargo em 1998, após uma colega ter acusado Weinstein de tentativa de estupro.

Veja também

Nele, a contrapartida era que o produtor fizesse terapia por três anos e, caso contrário, ele fosse demitido.

Segundo Zelda, a intenção era “proteger pessoas no futuro”, mas que foi confrontada pelo próprio ex-chefe durante o Festival de Cannes, que disse que “tudo o que ela havia feito havia sido em vão”.

“Empregador desafiador”

Funcionária da Miramax – estúdio de Weinstein – aos 22, Zelda diz que todos sabiam das atitudes do produtor em relação a mulheres, além de ter um temperamento complicado e hábitos bizarros – como andar pelo escritório de cueca e até mesmo nu.

Após a denúncia de uma colega durante o Festival de Veneza, houve a tentativa de processá-lo na Inglaterra, mas advogados declararam que não seria possível, uma vez que o crime ocorreu na Itália e um acordo foi feito.

“Só agora percebo o que ele roubou de mim: minha crença e confiança em mim e na sociedade”, disse. Ela declara, no entanto, que movimentos como #MeToo e Time’s Up fizeram com que ela recuperasse a esperança de ver Harvey punido por suas ações passadas e controlado contra futuros abusos.

Relembre

O produtor foi acusado de assédio, agressão sexual ou estupro por mais de uma centena de mulheres desde o início do escândalo, em outubro passado.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
EFE
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
BBC Brasil - Internacional
Da Universa
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
BBC
EFE
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
DW
Da Universa
Violência contra a mulher
Da Universa
AFP
Da Universa
EFE
Da Universa
Topo