Mães e filhos

Após cena polêmica em novela, Ministério da Saúde alerta sobre amamentação

Reprodução/TV Globo
Médico e diretor de um hospital, personagem estimula prática condenada por entidades Imagem: Reprodução/TV Globo

Da Universa

28/03/2018 15h22

Uma cena da novela "O Outro Lado do Paraíso" criou polêmica e fez com que o Ministério da Saúde divulgasse o alerta: uma mãe não deve amamentar outra criança em seu peito que não seja o seu filho, pois há risco de transmitir doenças como HIV e hepatite B, entre outras.

A confusão se deu porque no capítulo da última terça-feira (27), Samuel (interpretado por Eriberto Leão), médico psiquiatra e diretor do hospital da cidade, ofereceu sua esposa para ser "ama de leite" de outra criança. "A minha mulher, a Suzy, ela tem muito leite. Ela poderia amamentar o neto de vocês se vocês assim quiserem", disse o personagem de Eriberto à família de Nádia (papel de Eliane Giardini) no capítulo 133 do folhetim. Ao tentar convencer a esposa, Samuel ainda afirma que este seria "um gesto nobre". 

Veja também

Na trama, nenhum dos personagens que ouviu a proposta estranhou o fato. Já nas redes sociais, grupos de mães fizeram coro para reclamar de como a TV Globo tratou a chamada amamentação cruzada. "A prática traz diversos riscos ao bebê, podendo transmitir doenças infectocontagiosas, como a Aids", escreveu Giovanna Balogh em sua página "Mães de Peito" no Facebook.

A discussão fez com que especialistas se pronunciassem nesta quarta-feira (28). "O leite materno oferecido nos bancos de leite passa por um processo de pasteurização, anulando o risco de transmissão de tais doenças. Então, se você ou alguém que você conheça não está conseguindo amamentar, busque ajuda de seu pediatra ou de um banco de leite", orienta a pediatra Andréa Kasmim.

"Essa prática é contraindicada pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pois oferece risco de transmissão de doenças infectocontagiosas, como o HIV/AIDS, sobretudo para as crianças", alerta um comunicado da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

A SBP ressalta ainda que não existe leite materno fraco. "É importante destacar que a amamentação deve ser estimulada, pois é o único processo natural que garante acesso ao alimento completo e mais adequado para as crianças. Por isso, deve ser oferecido, de modo exclusivo, nos seis primeiros meses, podendo ser complementado a partir de então", orienta a Sociedade.

Procurada pela reportagem da Universa na tarde desta quarta-feira, a TV Globo ainda não se pronunciou a respeito do tema.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Mães e filhos
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Universa
Da Universa
Da Universa
Topo