Autoestima

Curada do TOC, Luciana Vendramini namora psicanalista: "É divertido'

Manuela Scarpa/Brazil News
A atriz Luciana Vendramini fala sobre a superação da doença Imagem: Manuela Scarpa/Brazil News

Carolina Martins

Colaboração para Universa

27/03/2018 18h33

Após o drama de ter vivido durante cinco anos com Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), Luciana Vendramini está curada, e há um ano e meio vive um romance com o psicanalista italiano Francisco Borges. "Hoje, é divertido namorar psicanalista, mas talvez na época fosse estranho”, contou ela à Universa durante a estreia da peça "Love Love Love", de Mike Bartlett, em São Paulo. Francisco não foi o responsável pelo tratamento da amada. 

“Namorar o Chico é muito bom porque conversamos muito sobre os grandes pensadores e busco através da palavra, resposta. Com ele vou adquirindo mais informações quando dou palestras, vou a faculdades, a hospitais, porque tenho mais argumentos para falar”, completou.

Veja também

Na opinião de Luciana, doenças psicológicas passam como invisíveis, sem hora para surgirem e atingem qualquer um. E o TOC, que ela adquiriu em 1997, é uma doença das mais complicadas. “Ele dá uma maquiada nas manias. A pessoa acha que está se organizando, mas ao mesmo tempo ela está desorganizada. Então, é mais difícil porque você tem a lucidez da doença, daquelas manias que você acaba fazendo, ou de lavar muitas vezes a mão, fechar a porta, então a gente não consegue admitir que é uma doença e ela vai chegando a um nível muito perigoso”.

“Até mesmo a medicina e os estudos psiquiátricos não conseguem ainda uma resposta. Ficamos refém, estamos em alerta, mas é completamente diferente depois de ter sido tratada. Me sinto muito curada”, disse.

O maior obstáculo da atriz para atingir a cura da doença foi querer. “Vejo muita gente se fazendo de vítima de doenças psicológicas. Às vezes para chamar atenção, uma carência. É uma doença que exige uma autoconsciência: quero me cuidar, quero me tratar e vou. Eu consegui”, disse. “A doença só pode ser visível a partir do momento que a gente não tiver mais o medo, a vergonha e acabar com esse tabu que doença psicológica é coisa de louco”.

Luciana tem se dedicado ao primeiro projeto relacionado ao assunto: lançará um livro sobre o TOC. “Não é uma biografia. Nem tenho essa pretensão. O livro fala desse período da minha vida: como apareceu, o tratamento, as minhas buscas para se tratar e curar e o mais importante, como a família foi preparada para viver e lidar com uma pessoa com um problema assim”.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Blog Flávia Durante
Da Universa
Da Universa
BBC
Blog Flávia Durante
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Blog Flávia Durante
Da Universa
Da Universa
do UOL
Autoestima
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Flávia Durante
BBC
Redação
Topo