Violência contra a mulher

Twitter viola direitos humanos das mulheres, diz Anistia Internacional

iStock
A Anistia Internacional afirma que o Twitter falha em proteger as mulheres contra violências e abusos em esfera digital Imagem: iStock

da Universa, em São Paulo

22/03/2018 12h55

Um relatório da Anistia Internacional — organização internacional não-governamental de direitos humanos — publicado nesta quinta, 22, afirmou que o Twitter falha em proteger as mulheres contra violências e abusos em esfera digital.

A conclusão é resultado de um estudo de oito capítulos conduzido pela organização com 86 indivíduos ao longo de 14 meses que detalha situações em que mulheres e pessoas não-binárias enfrentaram discurso de ódio, violência e ameaças na plataforma.

Veja também

"A violência e o abuso que muitas mulheres experimentam no Twitter tem um efeito negativo no seu direito de se expressar igualmente, livremente e sem medo", afirma o estudo. "Ao invés de fortalecer as vozes das mulheres, [a realidade na plataforma] leva mulheres a se autocensurarem em cada post, limitarem suas interações e até abandonarem o Twitter completamente".

23% das mulheres ouvidas pela Anistia Internacional em oito países durante o ano de 2017 afirmou que sofreu assédio ou abuso online pelo menos uma vez. Mais da metade foi atacada por um estranho.

"Acredito que o Twitter é a pior rede social por causa do fluxo rápido e mascarado de abuso que acontece. O conteúdo [de ódio] é muito similar ao de outras plataformas, mas o volume no Twitter é o que é diferente", argumentou a jornalista americana Jessica Valenti, ouvida pela pesquisa.

A plataforma se posicionou a respeito do estudo dizendo que a afirmação de que o Twitter é "conscientemente pouco engajado com questões de direitos humanos é uma representação injusta dos fatos e do espírito de seu time dedicado", afirmou em comunicado à imprensa.

Além disso, o texto pontua que a empresa concorda com diversas das recomendações propostas pela Anistia Internacional — e afirma que algumas delas já estão em processo de implementação.

"Continuamos a expandir nosso relatório de transparência para incluir dados relevantes e significativos. Vimos engajamento extraordinário no apoio às mulheres com o levante de movimentos como o #MeToo e a #MarchadasMulheres, que são provas do poder do Twitter como plataforma para as mulheres e como aliado para que contem suas histórias, ofereçam apoio e lutem por mudanças".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
ANSA
Da Universa
EFE
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
EFE
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
BBC Brasil - Internacional
Da Universa
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
EFE
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
DW
Violência contra a mulher
Topo