Violência contra a mulher

Famosos condenam diretor Terry Gilliam por afirmar que #MeToo é "máfia"

Getty Images
O diretor de cinema Terry Gilliam Imagem: Getty Images

da Universa, em São Paulo

19/03/2018 13h25

O diretor Terry Gilliam, de filmes como "Medo e Delírio em Las Vegas" e "O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus", tem sido alvo de duras críticas de grandes nomes de Hollywood após qualificar o movimento #MeToo como "máfia".

Em uma entrevista à agência de notícias AFP na sexta, o também membro do grupo de comédia inglês Monty  Python afirmou que "a ordem da máfia tomou o poder, eles estão carregando suas tochas e eles vão queimar o castelo de Frankenstein".

Veja também

Ele ainda justificou os assédios e abusos cometidos pelo produtor Harvey Weinstein contra inúmeras atrizes, entre outras profissionais da indústria do cinema. "Harvey abria portas para algumas pessoas. Uma noite com ele era o preço que você pagava [para isso]".

Para ele, algumas das mulheres que denunciaram o ex-executivo da Miramax e fundador da Weinstein Company não sofreram de verdade, mas o usaram para levar suas carreiras adiante. Terry diz que ele conhece mulheres que saíram de reuniões com Harvey antes que pudessem ser abusadas sexualmente.

"Este é um mundo de vítimas. Acho que algumas pessoas se deram muito bem depois de conhecerem Harvey e outras não. Aquelas que se deram bem sabiam o que estavam fazendo. São adultos, estamos falando de adultos com muitas ambições".

Estrelas reagem

A comediante Sarah Silverman foi uma das primeiras a se posicionar contra as declarações do diretor.

"Terry Gilliam pode querer transformar esses sentimentos de medo e incerteza que ele tem tido com o #MeToo e o #TimesUp e perceber ‘Ah, é assim que a vida foi para ELAS até agora? Minha nossa…' Viu só? Agora é empatia”. O diretor de "O Virgem de 40 Anos", Judd Apatow foi outro a criticá-lo duramente e fazer um alerta sobre suas afirmações ao público:

"Eu li. Os comentários de Terry Gilliam sobre Harvey Weinstein são idiotas e perigosos. Ele não estava naquelas salas. Ele não sabe o quão sugestivo e violento e assustador o Weinstein era. Quem é ele para dizer que esse era algum tipo de acordo oferecido? Ele deveria se sentir envergonhado”. A atriz Ellen Barkin ainda concluiu:

"Esta entrevista vira meu estômago. Terry Gilliam é o último homem a demonizar um movimento que está tentando proteger mulheres de homens abusivos".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
EFE
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
BBC Brasil - Internacional
Da Universa
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
EFE
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
DW
Da Universa
Violência contra a mulher
Da Universa
AFP
Da Universa
EFE
Da Universa
Da Universa
Topo