Direitos da mulher

Pela democracia e vida das mulheres: 8 de março terá marchas em 21 estados

Marlene Bergamo/Folhapress
Integrantes da Marcha Mundial das Mulheres fazem passeata na avenida Paulista, em São Paulo, em 2013 Imagem: Marlene Bergamo/Folhapress

Helena Bertho

Do UOL

07/03/2018 11h19

No Dia Internacional das Mulheres, movimentos feministas prometem parar as principais capitais do país e cidades do interior com marchas, atos e greve. Entre as demandas, além da luta contra a violência de gênero e pelos direitos das mulheres, aparecem também pedidos mais gerais como o fim da intervenção militar no Rio de Janeiro e a "volta da democracia".

"Fazemos a análise de que o Brasil vive um golpe e sua política afeta diretamente a vida das mulheres. Vemos constantemente um ataque aos direitos, autonomia e ao corpo das mulheres no Congresso Nacional", afirma a socióloga Fernanda Maria Caldeira, 29, do Movimento Levante Popular da Juventude, e uma das responsáveis pela organização dos atos em Belo Horizonte.

Veja mais

Da mesma forma, o grupo que organiza a mobilização no Rio de Janeiro incluiu o fim da intervenção militar como uma das principais demandas. "A gente acredita que não é uma solução. Porque ela penaliza unicamente os moradores das comunidades, e a população que mais sofre é a negra, com atenção principal à mulher negra", diz a administradora Flávia Prata, que participa da organização do movimento.

A reforma da Previdência também surge entre as pautas, assim como demandas tradicionais do movimento das mulheres: descriminalização do aborto, maior combate ao feminicídio, à violência de gênero, ao assédio e ao estupro.

Greve Internacional das Mulheres

Desde 2017, movimentos de diversos países convocam uma greve internacional das mulheres para 8 de março, como forma de chamar atenção às demandas do movimento. No segundo ano, no entanto, a movimentação por uma greve feminina no Brasil tem sido pequena.

"Uso a metáfora de que a água aqui ainda não ferveu e ela só ferve a 100º C. A gente precisa trabalhar a radicalidade de uma greve de mulheres, inclusive para que o trabalho doméstico pare. E para isso é preciso ter uma capilaridade que ainda não chegou, mas há de chegar", defende a sanitarista Lara Werner, 36, integrante da Greve Internacional das Mulheres e do 8M Brasil e 8M Porto Alegre.

Nos chamados por mobilização ao redor do país, em vez de greve, atividades e marchas estão sendo divulgadas. Os motivos para a não adesão à paralisação são muitos: grande participação das alas femininas de partidos políticos, discordâncias internas e também o cenário político.

"A gente sabe que, neste momento político de extremo retrocesso e condições de vida muito hostis para a população em geral, o cenário dificulta a greve, porque as pessoas ficam mais reféns do sistema, com mais medo de parar", fala Lara. Mas ela diz achar que toda a movimentação para a data já é de grande importância. "O fato de as pessoas estarem em seus ambientes de trabalho conversando sobre isso já é uma forma de parar."

Confira os locais e horários dos atos ao redor do Brasil.

Ao redor do mundo, eventos e marchas estão sendo organizadas. A Marcha Mundial das Mulheres também está fazendo um chamado para greve, com o tema "Um dia sem Mulheres", pedindo que mulheres não trabalhem, não façam compras e usem vermelho em solidariedade a outras mulheres. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
EFE
EFE
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
BBC
ANSA
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Estadão Conteúdo
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
do UOL
BBC
EFE
EFE
Estadão Conteúdo
do UOL
Opiniões

Opiniões

O verbo SER: nenhum ser humano essencialmente bom pode não ser feminista

Eu sou Feminista. Tu és Feminista? Ele é Feminista! Ela não é Feminista?? Nós somos Feministas! Vós sois Feministas? Eles são Feministas! Elas não são Feministas?? Eu não sou Feminista?!? Sou sim, mas sei que preciso ser mais e melhor... Tu és Feminista. Apenas não sabes... Ele não é Feminista? Poderia ser sim, aliás, deveria, ainda que por empatia... Ela é Feminista! E ainda bem que tem consciência de que o é... Nós não somos Feministas? Claro que somos, ainda que disso não falemos o tempo todo... Vós sois Feministas. E fazem muito bem em o ser... Eles não são Feministas? Mas deveriam, pois todos os seres humanos deveriam ser, uns por essência e outros por empatia. E fato é que todos deveriam ser... Elas são Feministas. Sim, são, aliás, feministas convictas. E apesar de toda a ignorante discriminação que sofrem... E você? é ou não é? Sabes afinal o que é ser feminista? Sabes de verdade? Sem preconceitos? Ser feminista é ser simplesmente a favor da igualdade de direitos entre homens e mulheres e a favor do respeito à condição feminina. Ser feminista, portanto, é lutar contra os preconceitos que aprisionam, intimidam e limitam as mulheres nas empresas, nos espaços públicos, nas escolas e nas universidades, nas casas e nas famílias, nos jardins, nas ruas e nas praças da nação e deste mundo, impedindo-as de irem mais longe e de serem mais naturalmente felizes. Ser feminista é lutar pelo reconhecimento dos direitos civis e humanos de todas as mulheres; é lutar para que tais direitos não sejam nem menores e nem menos importantes de que os de quaisquer outros seres humanos. Ser feminista é não aceitar que uma mulher seja morta neste país a cada hora e meia apenas e tão somente porque ela é mulher. Ser feminista é perceber que é um absurdo sermos um dos países do mundo em que há menos mulheres no Legislativo e na cúpula dos Poderes Instituídos do Estado, fatos esses que enfraquecem e desqualificam o ambiente da democracia brasileira. Ser feminista é saber que enquanto não tivermos mulheres ocupando isonomicamente todos os espaços, especialmente os espaços de poder e decisão, que são os espaços em que são tomadas as decisões mais relevantes e impactantes para o presente e para o futuro da nação brasileira e de toda a nossa sociedade, não teremos um país justo, equilibrado, contemporâneo e nem será o nosso país um país melhor. Ser feminista é ter consciência da absoluta e profunda importância da mulher para o desenvolvimento e para o aprimoramento otimizado da humanidade e dos países contemporaneamente. Ser feminista é apenas querer que todas as mulheres possam andar tranquilamente pelas ruas deste país sem correrem o risco de serem assediadas, desrespeitadas, diminuídas, estupradas ou atacadas. Portanto, tenho certeza de que você é feminista, pois nenhum ser humano essencialmente bom pode não ser feminista. Você só não sabia ou não tinha consciência de que era, como eu mesma um dia não tive consciência de que era. Mas isso foi há muitos e muitos anos... Desde então, eu lutei para ser um ser humano melhor e penso que, pelo menos, amadureci e, por decorrência, pude perceber e reconhecer que eu sou Feminista sim e é ótimo assim ser. E, aliás, sempre é tempo para ser e se reconhecer como um ser humano melhor... E você? Não quer ser um ser humano melhor?

Direitos da mulher
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo