menu
Topo

Sexo

8 estratégias para lidar com uma pessoa egoísta na cama

Getty Images
Imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Colaboração para o UOL

04/03/2018 04h00

Gozar na maioria das vezes antes do outro (e de forma deliberada), não se importar com a satisfação alheia, receber sexo oral sempre e nunca retribuir, transar só no dia que está a fim e evitar quando o outro quer… São várias as situações que podem ilustrar como uma pessoa egoísta se comporta na cama.

Quando o egoísmo surge nas transas esporádicas, é mais fácil reagir: basta vestir a roupa e ir embora. Mas, se ele começa a se infiltrar em romances promissores ou relacionamentos mais duradouros, não dá para ignorar. Saiba o que fazer com as oito dicas a seguir.

1 - Coloque o egoísta em perspectiva

É difícil, mas uma estratégia inicial é ter empatia pelo egoísta. Isso porque, em boa parte das vezes, a pessoa quer esconder uma grande vulnerabilidade.

“O egoísta não oferece nada ao outro, porque teme que o que tem para oferecer não dê conta da expectativa”, diz a psicanalista e terapeuta orgástica Mariana Stock. Ela lembra, porém, que acolher a fragilidade do egoísta não exclui situá-lo a respeito de suas atitudes no sexo.

Veja também:

2 - Há diferença entre ser egoísta e desrespeitar o outro

“Quando o foco sobre o próprio prazer ultrapassa os limites da outra pessoa, é hora de avaliar para onde essa relação está caminhando”, fala a psicóloga Ana Claudia Marques, mestre em ciências sociais e antropologia pela UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro). Ou seja, é bom refletir se há alguma espécie de coação para você fazer algo que não está a fim. Isso não é egoísmo, é abuso.

3 - Sinalize para a pessoa sobre o comportamento dela

Muita gente nem se dá conta do quanto é egoísta entre quatro paredes. Há diversos motivos por trás do comportamento, mas um dos mais comuns é a maneira equivocada que as pessoas veem a si mesmas e ao outro no sexo.

“Enquanto muitos homens aprendem a transar vendo filme pornô, a mulher aprende a transar pelo desejo do outro. O bicho pega quando as desconstruções começam para um dos dois. Por exemplo, quando ela não quer mais ser apenas um objeto de desejo, e o homem não está nem aí para entender o que, de fato, faz bem a ela. Ou o contrário: o cara cansou de bancar o tal e quer uma conexão mais íntima e verdadeira no sexo, e a mulher insiste em colocar todos os esforços a serviço do prazer dele”, descreve Mariana Stock.

4 - Fale sobre o que incomoda sem ofender nem agredir

“O ideal é que cada um consiga expor percepções e sentimentos, para que busquem encontrar a melhor forma de se relacionar sexualmente”, fala Ana Claudia.

Atenção: a conversa não vai funcionar se ocorrer como uma troca de ofensas, de críticas, reclamações e agressões. Uma dica é procurar destacar como se sente, em vez de apenas apontar o que há de negativo no comportamento do outro.

5 - Saiba reconhecer o que deseja

A pessoa só se incomoda com o egoísmo alheio quando reconhece o próprio desejo. Saber o melhor jeito de se tocar, quais seus pontos sensíveis e que tipo de carícia ou posição prefere ajuda a dar coordenadas precisas para que o egoísta se encoraje a mudar, de maneira mais segura e certeira.

6 - Analise: é egoísmo mesmo ou sinal de algum problema?

“Na prática, uma pessoa com comportamento egoísta na cama é aquela que faz prevalecer o próprio prazer. Por outro lado, é preciso se atentar a sinais que apontam para uma disfunção sexual, por exemplo. Gozar rápido pode significar ejaculação precoce, portanto, o homem deve procurar um especialista”, explica a sexóloga e psicóloga clínica Carina Tomaz Pereira.

Pela dificuldade de expor o problema à parceira, o cara, simplesmente, segue em frente. Pela mesma lógica, é possível que uma mulher que decida terminar logo a relação esteja passando por algum tipo de problema. Abrir o jogo é a melhor saída.

7 - Em penúltimo caso, seja egoísta também

Para Ana Claudia, se o diálogo não funciona talvez o melhor a fazer seja você experimentar adotar uma postura mais egoísta também. Foque no seu prazer e tente ir até onde deseja. Então, tenha atitude: se não está bom para você, tente fazer diferente, coloque suas vontades, não fique apenas esperando pela “generosidade” do outro.

“Ressalto que ninguém precisa ser egoísta ou submisso sempre. As atitudes podem variar e se complementar, cada um pode ter o seu momento de desejo e também o de ceder ao desejo do outro. Não prendam-se a regras, busquem a satisfação mútua”, fala Ana Claudia.

8 - Em último caso, repense a relação

Se você acha que tentou de tudo e nada funcionou, cabe avaliar se quer mesmo continuar a transar com essa pessoa. Reflita: vale a pena manter essa relação?

Você consegue aceitar que seja assim e viver bem? “Lembre-se que não há um jeito certo ou errado de se relacionar e, sim, jeito que é bom ou ruim para você”, afirma Ana Claudia.