Violência contra a mulher

Unicef lança "garota-robô" que conversa sobre pornô de vingança no Facebook

Reprodução/Facebook
Fabi Grossi, a "garota-robô" do Projeto Caretas que conversa com jovens no Facebook sobre o pornô de vingança Imagem: Reprodução/Facebook

do UOL, em São Paulo

20/02/2018 12h43

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) acaba de lançar uma iniciativa inovadora junto ao Projeto Caretas e ao Facebook: um "bot" que conversa com jovens e os alerta sobre como lidar com casos de pornô de vingança.

Batizada de Fabi Grossi, a garota-robô é aquilo que os criadores chamaram de "peça de ficção por chat": ela interage com o usuário que acessa a página do projeto através do Facebook Messenger e conta o vazamento fictício do próprio vídeo, compartilhando sentimentos e enviando selfies a quem começa o papo.

Veja também

Fabi está disponível 24 horas por dia para trocar experiências com jovens a partir de 13 anos e ajudá-los a lidar com situações em que eles também foram expostos ao compartilhamento de imagens íntimas sem consentimento. Ela ajuda a encaminhá-los a plataformas que auxiliam em casos de violência online, como a ONG SaferNet Brasil.

"O Caretas é uma ferramenta digital que nos dá a oportunidade de conversar individualmente com cada adolescente, no ambiente em que ele está presente e na linguagem que ele costuma usar. Toda a vivência dele na ferramenta tem o objetivo de criar empatia com a nossa personagem e informá-lo sobre os riscos do ambiente online”, explica a representante do UNICEF no Brasil, Florence Bauer, em comunicado à imprensa.

Reprodução/Facebook
A conversa com a personagem simula um papo real entre dois adolescentes Imagem: Reprodução/Facebook

Reprodução/Facebook
Fabi interage e compartilha imagens com o usuário Imagem: Reprodução/Facebook

Cerca de 7,4 mil adolescentes testaram o Caretas entre junho e novembro de 2017 trocando cerca de 1,6 milhão de mensagens com a Fabi. Pouco mais de 40% deles concluíram a experiência.

Destes que chegaram até o fim da história, apenas 39,7% declararam saber o que era sexting e como se proteger de violência online e cyberbullying antes do papo. Esse percentual cresceu para 90,5% depois da troca de mensagens com a personagem.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Da Universa
ANSA
AFP
RFI
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
EFE
Da Universa
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Topo