menu
Topo

Violência contra a mulher

Unicef lança "garota-robô" que conversa sobre pornô de vingança no Facebook

Reprodução/Facebook
Fabi Grossi, a "garota-robô" do Projeto Caretas que conversa com jovens no Facebook sobre o pornô de vingança Imagem: Reprodução/Facebook

do UOL, em São Paulo

20/02/2018 12h43

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) acaba de lançar uma iniciativa inovadora junto ao Projeto Caretas e ao Facebook: um "bot" que conversa com jovens e os alerta sobre como lidar com casos de pornô de vingança.

Batizada de Fabi Grossi, a garota-robô é aquilo que os criadores chamaram de "peça de ficção por chat": ela interage com o usuário que acessa a página do projeto através do Facebook Messenger e conta o vazamento fictício do próprio vídeo, compartilhando sentimentos e enviando selfies a quem começa o papo.

Veja também

Fabi está disponível 24 horas por dia para trocar experiências com jovens a partir de 13 anos e ajudá-los a lidar com situações em que eles também foram expostos ao compartilhamento de imagens íntimas sem consentimento. Ela ajuda a encaminhá-los a plataformas que auxiliam em casos de violência online, como a ONG SaferNet Brasil.

"O Caretas é uma ferramenta digital que nos dá a oportunidade de conversar individualmente com cada adolescente, no ambiente em que ele está presente e na linguagem que ele costuma usar. Toda a vivência dele na ferramenta tem o objetivo de criar empatia com a nossa personagem e informá-lo sobre os riscos do ambiente online”, explica a representante do UNICEF no Brasil, Florence Bauer, em comunicado à imprensa.

Reprodução/Facebook
A conversa com a personagem simula um papo real entre dois adolescentes Imagem: Reprodução/Facebook

Reprodução/Facebook
Fabi interage e compartilha imagens com o usuário Imagem: Reprodução/Facebook

Cerca de 7,4 mil adolescentes testaram o Caretas entre junho e novembro de 2017 trocando cerca de 1,6 milhão de mensagens com a Fabi. Pouco mais de 40% deles concluíram a experiência.

Destes que chegaram até o fim da história, apenas 39,7% declararam saber o que era sexting e como se proteger de violência online e cyberbullying antes do papo. Esse percentual cresceu para 90,5% depois da troca de mensagens com a personagem.