menu
Topo

Violência contra a mulher

Após estupro, Clara Averbuck participa de campanha de app contra assédio

Reprodução/TV UOL
Clara Averbuck em campanha da Uber Imagem: Reprodução/TV UOL

Do UOL

09/02/2018 11h48

Passados seis meses de sua denúncia contra um motorista do Uber, Clara Averbuck agora é uma das principais personagens de uma campanha do app e da ONG Plan International para o carnaval lançada nesta sexta (9).

Estuprada em agosto a escritora feminista não tem meias palavras para contar o que sofreu e como quer evitar que outras mulheres passem pelo mesmo horror.

Veja também

"[A violência contra a mulher] está em todos os âmbitos da sociedade, todos os âmbitos da sociedade acontecem isso. Desde dentro de uma empresa, dentro de uma casa, dentro da cozinha. Numa redação, né? Então, é uma discussão muito maior do que ir atrás de um homem que fez isso", afirma Clara no primeiro episódio da série, que pode ser assistido a seguir.

"Essa parceria promove a disseminação de informações sobre esses temas e possibilita o alcance de um grande número de pessoas que passarão a compreender mais e, esperamos, ajudar a fortalecer a prevenção, em especial do abuso sexual entre as jovens e mulheres", disse Gabriel Barbosa, diretor-executivo da Plan International Brasil.

Mais temas

Em formato de bate-papo, Clara se une à modelo Paola Antonini, o motorista parceiro da Uber Roberto Bete e o jornalista Abel Neto para debater violência contra a mulher, álcool e direção, homo e transfobia e racismo. Os vídeos serão divulgados ao longo do Carnaval.

Como denunciar

Segundo a Uber, mais de 5 mil atendentes serão responsáveis pela captação de denúncias e reclamações de cobranças a assédio, mesmo durante o feriado, sendo elas enviadas pelo app ou pelo help.uber.com.