menu
Topo

Universa

Escândalo de assédio derruba dirigentes da federação de ginástica dos EUA

Getty Images
Larry Nassar Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

28/01/2018 11h05

Durante duas décadas, o médico da equipe de ginástica olímpica norte-americana Larry Nassar, 54, abusou sexualmente de mais de uma centena de atletas. A estimativa é de que tenham sido mais de 160 mulheres, incluindo campeãs olímpicas.

Os primeiros relatos de abusos datam dos anos 90, e a primeira denúncia aconteceu em 2016. Nesse período a Federação de Ginástica dos Estados Unidos não tomou providências sobre o caso ou contra o médico. Durante o julgamento que condenou Larry a 175 anos de prisão, vítimas acusaram a federação de conivência e acobertamento.

Nesta sexta (26), porém, todos os altos dirigentes da instituição anunciaram a demissão. Durante a semana, presidente, vice-presidente e tesoureiro da federação já haviam aberto mão do cargo devido à condenação do abusador.

Veja também

Além disso, a cúpula se afastou mediante o anúncio do Comitê Olímpico americano, que informou na quinta (25) a abertura de uma investigação que poderia revogar o certificado da federação caso os antigos cartolas permanecessem nos cargos.

Entenda o caso

Larry levava atletas lesionadas para receber um suposto “tratamento especial”. Chegando lá, colocava os dedos na vagina das jogadoras, acuadas e sem autoridades a quem recorrer.

As denúncias só foram para frente após a repercussão da hashtag #MeToo, que uniu relatos de vítimas que sofreram episódios de assédio sexual -- como estupro, perseguição e jogo de influência.

Na última semana, durante o julgamento do caso Larry Nassar, a promotoria montou um júri no qual vítima e acusado ficaram frente à frente.

Os relatos chocantes de assédio e estupro causaram comoção no mundo. “Acabei de assinar sua sentença de morte”, disse a juíza Rosemarie Aquilinia, que sentenciou o abusador a 175 anos de prisão.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Universa