menu
Topo

Relacionamentos

Cartão ou conta conjunta: coisas que os casais devem pensar antes de fazer

Getty Images
Não assuma que por ter casado, a outra pessoa pensa e lida com dinheiro da mesma forma que você Imagem: Getty Images

Adriana Nogueira

Do UOL

09/01/2018 04h00

Conta corrente, cartão de crédito, negócio próprio... Não é porque você assinou a certidão de casamento que está automaticamente apto a dividir esses aspectos da vida com o cônjuge. Há quem, mesmo depois de anos de união, opte por manter tudo bem separado. Sinais de um relacionamento superficial? Não se apresse em julgar. Pode ser exatamente o contrário.

Leia também:

As 7 crises mais comuns do casamento (e como enfrentá-las!)

9 comportamentos desnecessários em relacionamentos maduros

Relacionamento sempre envolve algum interesse? Especialistas respondem

Por que os casamentos estão acabando em tão pouco tempo?

“Não existe um certo para todo mundo. Antes de fazer esse tipo de coisa é preciso conversar muito, porque, caso contrário, o que não é dito passa a tomar conta da relação”, afirma a psicóloga Gabriela Malzyner, mestre em psicologia pela PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo.

O que Gabriela quer dizer é que há que se combinar o jogo: pode-se gastar livremente ou é preciso comunicar o outro previamente? Os dois colocam a mesma quantia, no caso da conta conjunta? Dividem a fatura do cartão meio a meio? Que papéis terão ao gerenciarem juntos uma empresa? Essas e outras perguntas têm de ter respostas claras. Nada de achar que o outro tem de adivinhar seu pensamento.

Conflitos

A psicóloga e terapeuta de casais Denise Miranda de Figueiredo, cofundadora do Instituto do Casal, em São Paulo, diz não ver problema que esse diálogo aconteça à medida que o casal experimente compartilhar esses aspectos da vida.

“Às vezes, as pessoas precisam fazer o caminho caminhando, para que entendam os limites e os códigos que vão ter de construir”, fala a especialista.

Para Denise, divergir nesse processo não é completamente ruim. “A questão é o que se faz com o conflito.” Também é preciso estar aberto a rever posições. “O que funcionava antes de se ter filhos pode não funcionar mais quando se tem”, completa a terapeuta de casais.

Individualidade

Segundo Gabriela, o principal problema é quando os casais agem no automático, sem considerarem suas histórias individuais. “Tem quem case e pressuponha que formou uma única pessoa com o par. Pensar assim dá margem para muitas dificuldades.”

Para Denise, não há nada de errado naqueles casais que decidem manter a individualidade financeira.

“Precisa haver respeito sobre a forma como cada um funciona, como cada um lida com dinheiro.” Reconhecer isso é sinal de uma relação madura.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!