Mães e filhos

Saiba quais as principais dores dos bebês por idade e o que fazer

Getty Images/iStockphoto/kirza
Entenda a mensagem que o choro do seu filho está passando Imagem: Getty Images/iStockphoto/kirza

Bárbara Therrie

Colaboração com o UOL

01/01/2018 04h00

Toda dor é sinal de alerta. Por isso, é importante que os pais fiquem atentos às reclamações dos filhos. Mas e no caso dos bebês? Como identificar o que eles estão sentindo? Quais dores são mais comuns nos primeiros anos de vida? O que fazer para aliviar os incômodos?

Veja também

Consultadas pelo UOL, Catarina Fagundes, pediatra da Casa de Saúde Santos, e Sandra Caíres Serrano, coordenadora do Comitê de Dor em Pediatria da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor, esclarecem dúvidas:

0 a 6 meses

Dores mais comuns: Otite e dor por refluxo gastroesofágico. A principal dor é a cólica.

Como identificarA cólica do lactente é acompanhada de um choro agudo, vigoroso, contínuo e intenso. As crises duram até três horas por dia, em mais de três dias na semana, durante um período mínimo de três semanas. Normalmente, o choro é inconsolável e não cessa apesar do carinho e conforto dos pais.

Agitados, os bebês costumam encolher e esticar as pernas, ficam com os olhos bem fechadinhos, a sobrancelha franzida e a barriga dura. Além disso, eles podem ter suor excessivo e apresentar rubor facial com palidez ao redor da boca ou lábios arroxeados.

O que fazer: Evite oferecer chupetas e chás de ervas, verifique se a técnica da mamada está sendo feita de maneira adequada e não troque intempestivamente o leite materno. Outra dica é fazer compressas mornas, massagens na barriga no sentido horário do trânsito intestinal e a "bicicletinha", que consiste em flexionar e estender as pernas da criança.

Estimular o contato físico, ouvir músicas suaves e priorizar ambientes calmos também ajudam a minimizar as cólicas. As mães devem prestar atenção aos alimentos e bebidas que ingerem no período de amamentação e, restringir o consumo de cafeína, chocolate e refrigerante.

O bebê deve ser avaliado pelo pediatra que indicará o melhor tratamento.

6 meses a 1 ano

Dores mais comuns: Dor abdominal. A principal dor é a erupção dentária (nascimento dos dentes)

Como identificar: A gengiva do bebê fica inchada e mais vermelha do que o normal. Nesta fase, ele tende a babar bastante, sugar os dedos e levar tudo a boca na intenção de coçar a região. Os cuidadores também podem notar uma irritabilidade maior, com choros mais manhosos e fracos, o dia inteiro.

Outros sinais e sintomas: fricção gengival, redução do apetite, edema e hiperemia gengivais, sangramentos locais e alterações do sono. O diagnóstico é feito por meio de exame físico e avaliação geral da criança.

O que fazer: Uma opção para aliviar o desconforto é oferecer um mordedor gelado (aqueles que podem ser guardados na geladeira). Outra alternativa é fazer um picolé de leite materno ou de alguma fruta pura sem adição de açúcar.

Dependendo do quadro do seu filho, o pediatra pode receitar alguns compostos em gel que possuem medicamentos.

1 ano a 2 anos

Dores mais comuns: Dores funcionais, alterações de crescimento, acidentes e traumas. A principal dor é a por acometimento viral.

Como identificar: Os acometimentos virais respiratórios acompanhados de sinais como nariz escorrendo, febre, tosse, dores de cabeça e no corpo são comuns, pois nessa faixa etária as crianças já andam, engatinham e, com frequência, levam as mãos a boca. Existem vírus que também acometem o sistema digestivo, causando diarreia, vômitos e perda de apetite. Nesses casos, o comportamento da criança pode variar, algumas ficam mais chorosas e outras mais quietas e necessitando de colo.

O que fazer: Inalação ou lavagem nasal com soro fisiológico ajuda a fluidificar a via aérea reduzindo os incômodos. Os pais também devem investir em hidratação com bastante água e frutas com alta porcentagem de líquido, como melancia, melão, laranja (rica em vitamina C), além de uma alimentação leve e saudável. A consulta ao pediatra é imprescindível.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
EFE
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Mães e filhos
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Topo